Kwesx Yu Kiwe: o resguardo indígena se revolta contra a mega-estrada que ligará Buenaventura a Puerto Carreño

As comunidades indígenas nasa de Flórida, no Vale do Cauca, denunciam a violência que sofrem por causa de sua luta contra uma estrada de 1.490 km que, dizem, afetará os páramos Las Hermosas e Las Tinajas, e poderá forçá-los se deslocar de seu território. Seus líderes estão recebendo ameaças.  

Era pouco antes das seis da manhã daquele sábado de janeiro de 2020, quando dois homens em uma motocicleta chegaram a sua casa procurando por ele.   

—O Nilson está em casa?

—Não, ele não mora aqui.

Os homens hesitaram, mas não foram embora.

—Qual é o seu nome?

—Jorge Milton.

—Oh, então acho que é o senhor que estamos procurando. Olha, disseram para lhe pedir para ficar quieto.

Jorge Milton Conda. Milton. Índio nasa. Quarenta anos, pai de duas filhas. Líder ambiental e social, defensor dos direitos humanos. Milton, não Nilson.

—E também lhes peço que digam a seus chefes que não vou parar de lutar pelos povos indígenas.     

Milton conta este episódio a bordo de um veículo que percorre a estrada entre o município de Flórida, no sudeste do departamento do Vale do Cauca, e a comunidade de La Rivera, onde mora, no resguardo (terra indígena) Kwesx Yu Kiwe, um nome que significa “território da água”. Ele o conta e ri. Como se ele tivesse pregado uma peça. Ou como se não fosse com ele. Ou como se ele não tivesse outra opção além de rir.

Os homens que vieram a sua casa disseram que pertenciam ao “Los Pelusos”, uma dissidência do Exército de Libertação Popular ou EPL (um grupo guerrilheiro desmobilizado em 1991) que hoje é considerado pelas forças de segurança como um grupo armado organizado (GAO) e que se dedica, principalmente, ao tráfico de drogas. Eles também foram para a casa de sua mãe dois meses antes. Nesse momento eram supostamente emissários da coluna Dagoberto Ramos, uma dissidência da guerrilha das Farc que não se desarmou com o Acordo de Paz de 2016 e que está tentando retomar o controle do Vale do Cauca e do norte do Cauca com sangue e fogo.

Em panfletos que foram lançados fora do escritório da casa indígena, a sede principal do resguardo Kwesx Yu Kiwe em Florida, o grupo criminoso o advertiu e a outros líderes nasa para “parar de brincar e parar de falar em defender a terra”. Em outro panfleto que circulou, que foi atribuído a quadrilhas criminosas operando em aliança com dissidentes das Farc, eles o declararam “alvo militar” e o acusaram de “não permitir o desenvolvimento da estrada Pacífico-Orinoquia”.

-Não faz muito tempo que alguns homens armados vieram à comunidade onde vivo, reuniram as pessoas, contaram-lhes sobre a mega-estrada Pacífico-Orinoquia e lhes disseram que vinham para lutar pelo povo, supostamente. Nós não somos contra o desenvolvimento, mas denunciamos os tremendos danos ambientais que esta estrada vai causar.

*****

A conexão Pacífico-Orinoquia – como é chamada a estrada à qual se refere Milton Conda – é uma rota de 1.490 km que procura atravessar as três cordilheiras andinas, algo sem precedentes no país, para conectar a região do Pacífico a partir do porto de Buenaventura, com o vale do rio Magdalena e até Puerto Carreño (Vichada) nas planícies orientais na fronteira com a Venezuela.

Os dados oficiais do Invias (Instituto Nacional de Estradas) e da Fundação Propacífico (que apoia a construção da estrada) são espantosos: aproximadamente 50 trilhões de pesos de investimento público-privado (excedendo em quase 34 trilhões ao projeto Hidroituango, que seria a maior usina hidrelétrica do país); 250 mil novos empregos derivados dos cultivos de arroz, milho e soja e atividades pecuárias; 7 trilhões de pesos projetados em benefícios econômicos, especialmente para a agricultura, a pecuária e o agronegócio; uma redução aproximada de 27% no custo do transporte de carga por tonelada e a consolidação da Colômbia como potência agrícola. Esse é o “lado A” do projeto.

Este ambicioso trabalho está incluído no Plano Diretor de Transporte Intermodal (PMTI) 2015-2035, uma rede de infraestrutura projetada para melhorar a conexão do país através de estradas, aeroportos, portos e ferrovias. A apresentação deste ‘roteiro’ ocorreu em 25 de novembro de 2015 em Cartagena, no Congresso Nacional de Infraestrutura, e foi liderada pelo vice-presidente Germán Vargas Lleras.  

“O Plano Diretor de Transporte é o horizonte da Colômbia, um exercício técnico e científico que visa tirá-lo do atraso em que se encontra para que estejamos na vanguarda da América Latina nos próximos anos”, disse o exultante Vargas Lleras, o número dois do governo de Juan Manuel Santos na época.

Em números, o PMTI abrange 101 projetos rodoviários (12.681 quilômetros), 52 em redes de integração (6.880 quilômetros); 5 estradas ligadas à rede ferroviária (1.769 quilômetros); 8 rios ligados à rede fluvial (5.065 quilômetros), 31 obras em aeroportos e dragagens nos oceanos Atlântico e Pacífico. O investimento médio anual é de 10,4 trilhões de pesos ao longo de vinte anos.

Desde o anúncio de Vargas Lleras, a Vice-Presidência, o Ministério dos Transportes, a Agência Nacional de Infraestrutura (ANI) e o Invias têm trabalhado em sua execução.

A transversal começa no porto de Buenaventura. Há oito trechos rodoviários que envolvem diretamente 34 municípios em cinco departamentos: Vale do Cauca, Huila, Tolima, Meta e Vichada (o que significa uma população de cerca de 9 milhões de habitantes) e indiretamente outros 350 municípios em treze departamentos das regiões Central, Orinoco e Pacífico.

25% do percurso já foram construídos (378 quilômetros em trechos entre Mulaló e Florida, no Vale do Cauca, e entre Mesetas e Puerto Gaitán, em Meta); 16% estão em construção (240 quilômetros entre Buenaventura e Mulaló, entre La Uribe e Mesetas, e entre Puerto Gaitán e Puente Arimena); 55% estão em estudo (819 quilômetros entre Florida e o município de Colômbia, em Huíla, e entre Puente Arimena e Puerto Carreño) e os 4% restantes estão “por serem resolvidos” (53 quilômetros entre Colômbia, no departamento de Huíla, e La Uribe), de acordo com o Invias.

O ‘lado B’ – e menos conhecido – da conexão Pacífico-Orinoquia, incluída no Plano Nacional de Desenvolvimento do atual governo de Iván Duque, é que faz fronteira com vários ecossistemas sensíveis e corredores biológicos fundamentais: os páramos de Las Tinajas e Las Hermosas (Vale do Cauca e Tolima), o Parque Natural Nacional Nevado do Huila, o Parque Regional Páramo do Meridiano (Tolima) e o Parque Nacional El Tuparro (Vichada).

De acordo com a Comissão Nacional de Territórios Indígenas, a mega-estrada passa ou faz fronteira com os territórios coletivos de pelo menos oito povos indígenas, incluindo nasas, nukaks, sikuanis, amoruas, miskuas, jiw, emberas chamí e totorós. Isto significa que ainda há um rastro de dúvidas sobre os impactos ambientais e sociais que a estrada poderia ter.

A rota entre Florida e o município de Colômbia tem um orçamento de aproximadamente 22 trilhões de pesos e abrange 140 quilômetros divididos em três seções. No trecho que liga Florida à aldeia de La Herrera (Tolima), foi planejado um projeto ambicioso e ousado em termos de engenharia: um túnel ferroviário multimodal com uma plataforma para trens que transportará veículos de uma ponta a outra e atravessará a cordilheira central a uma profundidade de 2.500 metros. Terá 40 quilômetros de comprimento, quase cinco vezes o tamanho do controverso túnel de La Linea – 8,65 quilômetros e o mais longo de seu tipo na América Latina.

Bem onde o mega-túnel foi projetado, estão localizados o conselho comunitário das comunidades negras de San Antonio de los Caballeros e os resguardos indígenas nasa de Kwesx Yu Kiwe, Kwe’s Kiwe, Cristal Páez e Nasa Thá, localizadas em Florida e Las Mercedes, no município de Rioblanco (Tolima).

Kwesx Yu Kiwe, onde mora Milton Conda, seria provavelmente o mais afetado pelo futuro túnel.

Mas nem sequer aparecem nos mapas do Instituto Geográfico Agustín Codazzi (Igac) de 2015 que o Invias utilizou como base para o desenho dessa rota. 

É como se não existisse. 

El cartel que da la bienvenida al resguardo Kwesx Yu Kiwe, formado por siete comunidades que suman cerca de 2.100 habitantes. Foto: Tatiana Escárraga. 

*****

O resguardo Kwesx Yu Kiwe é formada por sete comunidades indígenas nasa: El Salado, La Rivera, Granates, Altamira, Nuevo Horizonte, La Cumbre e Nueva Esperanza. Há cerca de 666 famílias que, juntas, têm cerca de 2.100 habitantes, distribuídos em 2.539 hectares e 8.975 metros quadrados declarados oficialmente como resguardo, embora as autoridades indígenas afirmem que seu território ancestral se estende por 41.000 hectares.  

Os vilarejos estão localizados ao redor do páramo Las Tinajas, que faz parte do complexo de páramos Las Hermosas. Para esses povos, suas divindades vivem no fundo das lagoas e nas neblinas dos páramos da cordilheira. Suas crenças e símbolos atravessam as esferas política, econômica e social. A terra é o lar. É a vida. E é respeitada.

Desde que ele se lembra, Milton se viu fugindo das balas. Ele diz que está vivo por milagre. Não é difícil acreditar nele. Um relatório da Unidade de Vítimas reconhece 15,6% da população de Florida como vítima do conflito armado, o que equivale a 9.000 das quase 60.000 pessoas que vivem no município.  

Nos tempos da guerrilha M-19, na década de 1980, eles deslocaram todas as comunidades que viviam no território hoje ocupado pelo resguardo. Depois vieram as Farc, cujas duas estruturas extintas – a Sexta Frente e a Coluna Móvel Gabriel Galvis do Bloco Comandante Alfonso Cano – transformaram esta terra em seu feudo criminoso.

Entre 2001 e 2002, quando já servia como secretário de sua organização, Milton teve que resistir a duas tomadas de controle paramilitares pelo Bloco Calima das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC) que deixaram grande quantidade de mortos no seu rastro. Ele teve que levar algumas crianças em meio a um tiroteio, e teve que enterrar dois tios: um que os paramilitares seguraram em um posto de controle e mataram ao banhá-lo em ácido, e outro que os guerrilheiros mataram.

Nos últimos anos, também enterrou vários membros do resguardo indígena, aqueles homens e mulheres que protegem o território coletivo e resistem, desarmados, à investida cada vez mais insana dos violentos. Neste ponto, muitos habitantes desta região do país sentem que a paz era uma ilusão que desapareceu em um piscar de olhos. Os anos de negociações em Havana e a assinatura do acordo com as Farc significaram uma frágil esperança que acabou se desvanecendo. Aqui a paz parece desfocada. Como quando se insiste em lembrar, ao acordar, um sonho que escapa da cabeça.

A realidade atual é que o tráfico de drogas, os dissidentes guerrilheiros e grupos residuais da desmobilização dos paramilitares – conhecidos como “bandas criminosas” ou “bacrim” – estão presentes no território. A Ouvidoria emitiu um alerta precoce em 2018 para Florida e outro município, Pradera, onde alertou sobre a grave situação e confirmou a presença de dissidentes da Sexta Frente das Farc, do EPL, do ELN e das Autodefesas Gaitanistas da Colômbia (também conhecidas como Clã do Golfo), herdeiros do narco-paramilitarismo. É neste contexto que Kwesx Yu Kiwe resiste.  

Em setembro de 2019 e após uma intensa batalha judicial, o terceiro juiz civil do Circuito Especializado em Restituição de Terras de Cali, Diego Sossa Sánchez, ordenou que o resguardo fosse reconhecido como vítima do conflito armado e que 5.021 hectares de terras ancestrais fossem devolvidos a eles. A sentença 57 reconhece que os habitantes deste resguardo foram vítimas do M-19, das Farc e das forças de segurança e que sofreram perseguição, deslocamento forçado, confinamento, despossessão e assassinatos seletivos.  

Essa foi a primeira decisão de restituição de terras para as comunidades indígenas no Vale do Cauca, parte de uma política que começou há uma década para reparar as vítimas e devolver as terras que lhes foram tiradas pelos autores da violência. Apenas um mês antes, em agosto daquele ano, Kwesx Yu Kiwe tinha sido legalmente constituído como resguardo através do acordo 96 de agosto de 2019 entre o Ministério da Agricultura e a Agência Nacional de Terras.

Mas agora, quando conquistaram o direito de ser reconhecidos como resguardo, os indígenas acreditam que sua existência está em perigo. Se antes eles eram ameaçados por balas, agora também são ameaçados pelo desenvolvimento.

****

El Salado é uma comunidade localizada a 1.800 metros acima da cordilheira central. Nesta brilhante manhã de novembro, uma comitiva alegre e expectante dá as boas-vindas aos visitantes. Há crianças correndo e adultos de pé nas esquinas, como a professora da escola, Dora Lilia Baltazar e o líder (autoridade tradicional) Francisco Antonio Yonda. 

Habitantes de El Salado, una comunidad enclavada sobre la cordillera central. Foto: Tatiana Escárraga.

-Estamos muito preocupados porque acreditamos que eles não estudaram os impactos da estrada sobre nossas comunidades ou o meio ambiente. Veja, o caminho passa pela quadra de futebol, pela escola, bem aqui onde estamos- diz Yonda, um pai de 55 anos de idade, de dois filhos.  

“Veja, o caminho passa pela quadra de futebol, pela escola, bem aqui onde estamos”

Autoridade tradicional Francisco Antonio Yonda

Quando ele fala, baixa o olhar. Um ar de tristeza marca seu rosto. “Tem havido balas de um lado e do outro. E tivemos que nos acostumar a isso. Já fomos deslocados três vezes. Primeiro por causa do M-19 na década de 1980 e depois foi pelos paramilitares na década de 2000. E agora estamos novamente na mesma situação, com os dissidentes das Farc deixando panfletos ameaçadores, assediando, extorquindo. E, além disso, temos o problema da estrada. Vivemos do cultivo de café, bananas, plátanos, mandioca, mandioquinha, grãos, milho, tudo isso seria perdido. Para onde iremos se tivermos que sair daqui?” pergunta Yonda.

Do outro lado do resguardo, para entrar nas comunidades de La Rivera e Granates, é preciso primeiro passar pelo posto de controle da guarda indígena. Dois homens e uma menina de não mais de treze anos dão as boas-vindas. Depois, seu ritual de biossegurança contra a Covid: um incenso com plantas medicinais de alecrim e eucalipto e uma bebida aromática.

Este território parece suspenso no tempo. Sem conexão à internet, tão longe de tudo, cercado por montanhas e estradas de terra; com algumas casas construídas em cimento e pequenos terraços cheios de plantas coloridas, e atravessado por um rio, o Frayle, que desce do páramo de Las Tinajas. Uma paisagem andina verde onde o silêncio reina, por vezes interrompido apenas pelo canto dos pássaros que cruzam este céu. A vegetação é exuberante e o ar limpo. Um ambiente tão belo e generoso que até intimida.   

Alguns minutos a pé separam La Rivera de Granates. Uma única estrada de terra os conecta. Onde essa estrada termina, em Granates, há um enorme campo de futebol, uma ponte de madeira sobre o rio e o ponto de partida da rota que leva a Las Tinajas. Os indígenas dizem que leva entre um e três dias para chegar ao coração do páramo, um ecossistema de alta montanha de grande valor ecológico que permanece relativamente desconhecido para o país (devido a que foi durante anos um refúgio para atores armados) e tão frágil que qualquer intervenção derivada de obras de infraestrutura pode ser catastrófica. 

Donde termina la comunidad de Granates comienza el camino que conduce a los páramos de Las Tinajas y Las Hermosas. Foto: Tatiana Escárraga.

O páramo de Las Tinajas, que faz parte do complexo de páramos Las Hermosas, cobre uma área de aproximadamente 18.400 hectares distribuídos entre Palmira, Flórida e Pradera. É, segundo a Corporação Regional Autônoma do Vale do Cauca (CVC), a autoridade ambiental regional, um “ecossistema primordial regulador da água”, já que tanto a vegetação quanto os solos atuam como uma ‘esponja’ que retém naturalmente o líquido durante a estação chuvosa, e o libera gradualmente no sistema aquífero do Vale do Cauca no verão.

Em Las Tinajas há também um grupo de nove lagoas (incluindo Fe, Esperanza, Caridad, El Espejo, Laguna Negra e Guayabal) das quais se originam os rios Frayle e Santa Bárbara, abastecendo tanto as comunidades rurais como urbanas de Flórida e outras áreas próximas.   

Um relatório da CVC aconselha declarar Tinajas uma área de conservação devido ao grau de ameaça às espécies vegetais e animais como a rã de cristal, o musaranho, o urso andino, a onça, o quati, o pudu-do-norte, a marreca-pardinha e a águia-serrana, entre outros. “Com base nos valores da biodiversidade e dos serviços ecossistêmicos gerados no páramo Las Tinajas, sua fragilidade e grau de conservação (…) é possível que seu equilíbrio seja profundamente afetado no caso de promover atividades que não estejam de acordo com sua vocação, tais como obras de infraestrutura, mineração e pecuária extensiva”, conclui o documento.

Las Hermosas, o complexo de páramos do qual faz parte Tinajas, fornece água a cerca de 900.000 pessoas – quase 2% da população colombiana – incluindo os municípios de Palmira, Tuluá, Buga e Chaparral. 80% de seu território estão no departamento de Tolima e os restantes 20% no Vale do Cauca. Foi o berço das Farc e, durante décadas, seu domínio absoluto. O desfiladeiro de Las Hermosas, no lado de Tolima, tornou-se o refúgio do falecido ‘Alfonso Cano’, que foi o principal líder da guerrilha agora extinta entre 2008 e 2011. Um pouco mais da metade de sua extensão é um parque nacional criado em 1977, chamado precisamente Las Hermosas, o que significa que está constitucionalmente protegido de intervenções como uma estrada.

Las Tinajas, por outro lado, não tem esse nível de proteção.

“a conservação dos páramos é considerada fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera”

Geógrafo Carlos Sarmiento

O geógrafo Carlos Sarmiento, um dos maiores especialistas em páramos do país, conhece bem a importância destes ecossistemas. “Um dos fatores-chave é a água. Não é que os páramos tenham mais do que outros ecossistemas, mas a água que obtemos deles chega às cidades por gravidade, o que economiza milhões em custos de transporte. Além disso, é a água que não recebe contaminantes nem do homem nem da própria natureza, portanto, o tratamento necessário é mínimo“, diz.

A Colômbia tem aproximadamente 50% dos páramos do mundo, mas Sarmiento aponta que é um “ecossistema muito raro” que só ocorre em países que possuem altas montanhas nos trópicos. E não são muitos: Venezuela, Equador, Costa Rica, Panamá, Colômbia e alguns países africanos com sistemas semelhantes.

A vantagem para o país, explica Sarmiento, é que possui os páramos mais diversificados. Poder-se-ia dizer que eles têm identidade própria. Embora também deva ser acrescentado que eles são frágeis e lentos de recuperação. “As baixas temperaturas e os baixos níveis de oxigênio significam que os processos metabólicos da vegetação e da fauna são muito lentos. É por isso que qualquer atividade que remova a vegetação do solo é tão perigosa“, explica.

Essa ’perigosidade’ também tem a ver com o fato de que os páramos conservam grandes quantidades de carbono. “Como seu solo armazena uma grande quantidade de matéria orgânica não decomposta ou em processo de lenta decomposição, eles são o que chamamos de um reservatório de carbono muito importante. Ainda mais do que as florestas amazônicas, acreditam alguns cientistas. Portanto, a conservação dos páramos é considerada fundamental para reduzir as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera”, diz Sarmiento.

****

No dia da chegada a Granates, o governador do resguardo Kwesx Yu Kiwe, José Arbey Ipia Medina, assiste a uma reunião que não será muito longa porque ele recebeu ameaças. A Sexta Frente das Farc o obrigou a se deslocar em 2008. Agora é a coluna Dagoberto Ramos que o impede de retornar a Altamira, onde ele morava antes. Se ele está aqui hoje, é porque confia em seu sistema de segurança e porque está relutante em deixar que os grupos violentos o impeçam de colocar os pés em suas terras. Mas suas visitas são rápidas como relâmpagos.

-Pedimos que nos escutem, não com armas, não com egoísmo, nem com discriminação. Dizemos ao governo que temos o direito de consulta prévia. Enquanto não o aprovarmos, não permitiremos que o megaprojeto passe por aqui, defenderemos esta terra até a morte, adverte o governador Ipia.

A agitação nestas comunidades é muito profunda. Eles temem que as máquinas cortem montanhas, contaminem rios e, em resumo, alterem a paisagem e o equilíbrio do ecossistema. E que isto, em longo prazo, force-os a sair daqui num futuro sombrio e não muito distante.

Vemos a estrada Pacifico-Orinoquia como uma ameaça de extermínio. O mega-túnel fará desaparecer as comunidades de Granates e La Rivera e também afetaria outras populações. Denunciamos isso e a resposta é que o projeto continuaria em andamento- diz Ipia. Seus medos e os de seu povo contrastam com a convicção de dois governos consecutivos (Santos e Duque) de que este é um projeto prioritário para o país. 

“temos certeza de que haverá um cuidado ambiental exemplar e respeitoso com os territórios e costumes das comunidades étnicas sem deixar de ser competitivos”

Guillermo Toro Acuña, diretor técnico do Invias

“É claro que, se estamos nos comprometendo a cruzar a cordilheira central a uma altura de mais de 1,5 km área superficial dos páramos, e com a magnitude do orçamento de investimento que temos, é porque temos certeza de que haverá um cuidado ambiental exemplar e respeitoso com os territórios e costumes das comunidades étnicas sem deixar de ser competitivos”, diz Guillermo Toro Acuña, diretor técnico do Invias.

Os estudos preliminares, no entanto, mostram uma realidade menos otimista.

Em fevereiro de 2018, a Autoridade Nacional de Licenciamento Ambiental (ANLA) publicou o Auto 00587, que escolheu uma das quatro rotas propostas pelo Invias para o trecho entre Flórida e a Colômbia, e que inclui o mega-túnel. Foi a resposta ao diagnóstico ambiental de alternativas (DAA) – um estudo com informações para avaliar e comparar as diferentes opções antes de obter uma licença ambiental – que o Invias vinha apresentando desde 2014 e ao qual foram feitas modificações posteriores.

A rota escolhida pela ANLA abrange 7 municípios e 42 unidades territoriais menores, incluindo vilarejos. Esta opção é, segundo a autoridade ambiental, “a mais conveniente”, pois “minimiza os fatores de risco e reduz ostensivamente os impactos e efeitos sociais e ambientais em relação às outras propostas”. Nenhuma das outras três opções apresentadas pelo Invias evitava o túnel. Elas até propunham que fosse projetado em uma elevação mais alta e mais próxima do páramo.

O auto da ANLA reconhece que o projeto atravessará áreas de páramo (Las Hermosas, El Meridiano e Las Tinajas), que as águas residuais serão descarregadas em córregos como Los Negros, El Tablón, Agua Fría e o rio Hereje, que explosivos serão utilizados para as obras e que haverá mudanças na riqueza e diversidade das espécies vegetais e animais.

Nesta decisão, a ANLA adverte que a alternativa escolhida “não determina a viabilidade ambiental do projeto”, pois ainda está sujeita à apresentação de um estudo de impacto ambiental (EIA) sobre aquela seção específica e à concessão de uma licença ambiental, sem a qual não poderia ser dada luz verde.

Este estudo de impacto ambiental deve incluir um documento do Ministério do Interior, que o Invias já solicitou, certificando a presença de comunidades étnicas nas áreas de influência do projeto, os resultados de uma consulta prévia a que os povos étnicos que vivem na área de influência têm direito, e um plano de gestão ambiental que explique como seus efeitos serão mitigados. O problema é que o Ministério do Interior não apresentou o certificado que reconhece os resguardos, o que significa que para o Invias Kwesx Yu Kiwe nem sequer existe.

“O paradoxo é que para que um resguardo seja constituído, como no nosso caso, o Ministério do Interior tem que dar um conceito prévio. Sem isso, não teria sido possível. Além disso, há a sentença que nos reconhece como vítimas do conflito e ordena a restituição das terras. E agora acontece que o ministério nos reconhece“, diz Milton Conda.  Nós tentamos entrar em contato com o Ministério do Interior para saber sua versão, mas não houve resposta.

Desde que souberam da existência do projeto Conexão Pacifico-Orinoquia, os quatro resguardos e duas comunidades de Florida se uniram em uma batalha contra esta estrada. A rejeição é unânime. Desde 2013, eles têm expressado isto nas mesas técnicas do Invias, ao escritório do Relator Especial da ONU sobre os direitos dos povos indígenas, através da Onic (Organização Nacional Indígena da Colômbia) e nos poucos meios de comunicação que têm comunicado sua denúncia.  

Se eles foram capazes de se esquivar das balas da guerra e se continuam enfrentando a violência, este novo capítulo, dizem eles, não ao vai os desencorajar. 

Sua estratégia, por enquanto, é impedir que os técnicos do Invias e da ANLA entrem em seu território. Isso, dizem, seria autorizar o trabalho a começar. As conversações, por tanto, estão num impasse. Em um tipo de impasse legal difícil de superar, porque os nasa continuam firme em sua rejeição do projeto.  

“As perseguições que ocorreram no município de Florida nos últimos dois anos e que tivemos que acompanhar têm muito a ver com a conexão Pacifico-Orinoquia”

Líder nasa Caucana Aida Quilcué

-Eles estão desenhando rotas a partir de um escritório, sem nos consultar, sem nos mostrar o estudo de impacto ambiental, escondendo informações de nós, reclama Milton Conda.

-O governo quer avançar com este projeto, violando o direito à consulta prévia. As perseguições que ocorreram no município de Florida nos últimos dois anos e que tivemos que acompanhar têm muito a ver com a conexão Pacifico-Orinoquia. Tivemos até que buscar asilo político para uma governadora- diz a líder nasa Caucana Aida Quilcué, ex-conselheira de direitos humanos da ONIC e uma das autoridades mais respeitadas do movimento indígena.

****

Sem ainda ter o certificado do Ministério do Interior sobre a presença de comunidades étnicas no setor onde o túnel está planejado, e sem ter realizado uma consulta prévia com os povos indígenas e afro na área, Invias avançou em um estudo de impacto ambiental que encomendou à empresa EDL S.A.S. Engenheiros Consultores.

De acordo com este documento, os efeitos positivos do megaprojeto a nível social incluem “a melhoria das condições de vida, o aumento da criação de empregos e o aumento da capacidade de autogestão e participação”.

No que diz respeito ao capítulo ambiental, no entanto, há muitas dúvidas. Embora fale de medidas de gestão para corrigir, mitigar, prevenir e compensar os impactos, e que estes não sejam classificados como críticos, o mesmo estudo aponta para várias consequências: diminuição da cobertura vegetal, em habitats para a fauna – que serão muito alterados -, perda de gêneros e espécies, efeitos sobre os recursos hídricos devido a materiais provenientes do trabalho e do despejo de águas residuais e combustíveis, e no ar devido à entrada em operação de plantas de concreto e mudanças no uso do solo.

“O lamentável é que na Colômbia os estudos de impacto ambiental não têm uma revisão externa, o que chamamos de ‘revisão por pares’, um agente externo que possa avaliar ou contradizer o estudo ou que possa fornecer outras informações. Não acredito que no país exista um precedente de um túnel com a extensão e profundidade que este propõe. E temos muito pouco conhecimento da estrutura geológica para saber exatamente quais seriam os efeitos de atravessar essa cadeia montanhosa“, disse Carlos Sarmiento, um especialista em páramos.

O estudo de impacto ambiental também fala de comunidades “sujeitas a reassentamento”, embora o Invias sempre tenha prometido nas reuniões técnicas que realizou com os povos indígenas que não considera essa possibilidade. 

As comunidades terão voz no que está por vir – ou “capacidade de autogestão e participação”, como é chamado pelo estudo de impacto ambiental – se o Ministério do Interior certificar as comunidades étnicas na zona de influência.  

Mas por enquanto não parece haver a vontade de avançar com este processo. E também não vai ser tão fácil. O conselho comunitário das comunidades negras da comunidade de San Antonio de los Caballeros, por exemplo, é reconhecido pela prefeitura de Florida, mas não pelo Ministério do Interior, já que ainda está em processo de obtenção do título coletivo de propriedade de suas terras na Agência Nacional de Terras. 

“Algumas pessoas vieram aqui há cerca de dois anos para nos falar sobre a estrada e um túnel na parte superior da montanha, mas não ouvimos mais nada. Temos muito pouca informação”, diz Leidy Bonilla, sua representante legal.

“Quando chegamos a consultas prévias, há sempre uma forte oposição das comunidades, mas também constatamos que elas estão muito desinformadas”

Guillermo Toro, do Invías

Enquanto isso, o túnel da seção Florida-Colômbia da mega conexão Pacífico-Orinoquia permanece em espera até que as questões legais e o conflito com as comunidades sejam resolvidos.  

Não há prazos, dizem no Invias. “Estabelecer um prazo soaria quase como uma imposição do governo nacional. E nós não queremos isso. Quando chegamos a consultas prévias, há sempre uma forte oposição das comunidades, mas também constatamos que elas estão muito desinformadas. Estamos certos de que isto vai mudar se eles nos deixarem mostrar que estamos tentando defender seu meio ambiente e seus costumes“, diz Guillermo Toro, do Invias.

Mas essas palavras não convencem de forma alguma aos nasa.

“os páramos de Las Tinajas e Las Hermosas estão em perigo e nós exigimos que o mundo o saiba”

Milton Conda, líder nasa

-Esta é uma situação complexa e nós estamos muito preocupados. Aqui, defender a terra e o meio ambiente é uma condenação, mas os páramos de Las Tinajas e Las Hermosas estão em perigo e nós exigimos que o mundo o saiba- conclui Milton Conda. A comunidade indígena nasa não está disposta a desistir de sua luta. 

Tierra de Resistentes

Base de datos de Tierra de Resistentes

Lo que dicen los datos sobre los ataques a los resistentes

Análisis de la base de datos de líderes del medio ambiente perseguidos y asesinados en Latinoamérica.

Metodología

La base de datos de Tierra de Resistentes busca dimensionar el universo de líderes y comunidades que ha sufrido episodios de violencia. Más que nombres, cada registro documenta una historia y una realidad.

Más reportajes:

A defesa da água está custando a vida aos camponeses do Putumayo

Un recorrido por el municipio de Puerto Asís, en el Bajo Putumayo de Colombia, revela el drama diario que afrontan sus pobladores. Amenazas de muerte que se convierten en realidad y comunidades sin agua por causa de la contaminación.

El Hatillo e a luta tensa para não respirar carvão

En el departamento de Cesar, en el nororiente colombiano, una comunidad campesina lleva casi una década esperando ser reasentada a causa de la contaminación generada por las minas aledañas. En los últimos cuatro años, un líder fue asesinado y ocho más han recibido amenazas.

O Tipnis e o Madidi, as feridas que sangram no rosto indígena da Bolívia

Las áreas naturales del Tipnis y el Madidi, ambas en la Amazonía boliviana, son el escenario que pone en evidencia el maltrato a estas comunidades.

Guaviare: proteger a floresta com vida

Desde la firma de los Acuerdos de Paz con la antigua guerrilla de las Farc, Felipe Henao se ha dedicado a dirigir un proyecto de comunicación y educación ambiental en el tercer departamento más deforestado del país: Guaviare. Por ejercer este liderazgo, su vida peligra.