Os guardiões dos parques que a guerra levou consigo

Proteger um parque nacional na Colômbia, um país com um longo conflito armado, é uma profissão arriscada e pouco agradecida. Após anos de impunidade e esquecimento, as famílias de três guardas florestais assassinados podem finalmente entender o que aconteceu com eles, agora que seus casos podem chegar à justiça de transição criada pelo Acordo de Paz assinado entre o governo colombiano e a antiga guerrilha das FARC em 2016.

Wilton Orrego estava patrulhando uma floresta no Parque Nacional Serra Nevada de Santa Marta em 14 de janeiro de 2019, quando assaltantes desconhecidos o interceptaram e atiraram nele cinco vezes.

Orrego, de 38 anos, morreu horas depois em um hospital de Santa Marta, deixando a esposa, uma filha adolescente e dois anos de trabalho como guarda florestal em um canto do Caribe colombiano onde belas praias, observadores de aves e turistas coexistem com grupos criminosos que lutam pelas rotas para tirar drogas do país.

Seu assassinato destacou uma tragédia pouco conhecida na Colômbia: cuidar das selvas, dos rios, dos páramos e, em geral, da riqueza natural do segundo país mais biodiverso do mundo implica níveis de risco extremamente elevados.

cuidar das selvas, dos rios, dos páramos e, em geral, da riqueza natural do segundo país mais biodiverso do mundo implica níveis de risco extremamente elevados

Nos últimos 25 anos, pelo menos 11 guardas florestais morreram de maneira violenta enquanto protegiam as áreas naturais a seu cargo, impotentes diante de interesses comerciais milionários, como o tráfico de drogas, a mineração ilegal e a guerra.

Apesar de serem dedicados funcionários estatais de Parques Nacionais que convencidos do valor de sua missão, histórias como as de Martín Duarte do Parque Nacional Serra de La Macarena, Jairo Varela de Paramillo e Jaime Girón do Parque Serranía dos Churumbelos mostram, infelizmente, um padrão semelhante: seus casos ficaram impunes, suas famílias se sentem abandonadas por um Estado que se esqueceu deles, e seus colegas continuam trabalhando em condições igualmente precárias.

seus casos ficaram impunes, suas famílias se sentem abandonadas por um Estado que se esqueceu deles, e seus colegas continuam trabalhando em condições igualmente precárias.

No entanto, a assinatura do Acordo de Paz com as ex-Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em 2016 traz uma nova oportunidade para entender o que aconteceu com eles.

Desde o ano passado, um grupo de respeitados líderes ambientais tem construído uma proposta para que o novo sistema de justiça de transição, que investigará e julgará os crimes cometidos durante o conflito colombiano, também investigue como o meio ambiente e aqueles que se preocupam com ele têm sido violentados.

Em dois dos três casos, o de Martín e o do Jairo, há fortes indícios de que os guerrilheiros, que depuseram suas armas há quase dois anos e estão em processo de reintegração na vida civil, foram responsáveis por suas mortes. Isto significa que as Farc poderiam, como parte de seu compromisso com a paz, ajudar as famílias a entender o que aconteceu e pedir perdão.

IMAGENS DO DESMATAMENTO NOS PARQUES NACIONAIS SERRA DA MACARENA, TINIGUA E NUKAK, TIRADAS PELA FUNDAÇÃO PARA A CONSERVAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (FCDS).

O guardião de La Macarena

Martín Duarte estava tão feliz com seu trabalho como guarda floresta que decidiu estudar uma carreira profissional para fazê-lo melhor.

A missão do técnico agrícola de Bogotá, de 36 anos, era proteger o Parque Nacional Serra da Macarena, um oásis rochoso no meio das terras baixas onde começa a Amazônia colombiana e que é parte do Escudo Guianês. Embora Caño Cristales – seu ‘rio de sete cores’ – seja uma paisagem icônica que adorna folhetos turísticos e cartazes de aeroportos em todo o país, só agora os colombianos começam a visitar a esta remota serra graças a uma maior segurança.

ó agora os colombianos começam a visitar a esta remota serra graças a uma maior segurança.

Em 2008, no entanto, La Macarena ainda era o cenário de fortes combates entre os militares, guerrilheiros e outros grupos criminosos. De fato, foi o epicentro de uma das principais estratégias – a de ‘consolidação territorial’ – com a qual o governo colombiano conseguiu reverter a correlação de forças com as Farc, empurrando-as para negociações de paz. 

Naquela época, como hoje, uma das principais funções dos guardas florestais era trabalhar com as comunidades camponesas ao redor – e até mesmo dentro – dos parques. A paixão por essa parte de seu trabalho motivou Martín a estudar psicologia social comunitária. Toda semana, ele ia de moto por uma hora de sua cabana dentro do parque, em San Juan de Arama, até a Universidade Nacional a Distância (UNAD) na comunidade de Acacías, ambas no departamento de Meta.

Depois de oito semestres, apenas restava um para a formatura.

Duarte levava 13 anos trabalhando no sistema de Parques Nacionais. Ele começou no parque nacional perto de Bogotá, que protege o páramo Sumapaz no alto da cordilheira. De lá ele foi para Los Picachos, que protege as florestas de transição da Cordilheira dos Andes para a floresta. Finalmente chegou a La Macarena após separar-se de sua esposa e solicitar uma transferência para estar mais próximo de sua filha Stephanía.

As circunstâncias da morte de Martín ainda não estão claras. O que sua família foi capaz de reconstruir é que, ao voltar para sua cabana depois de trabalhar com alguns camponeses da região, ele se deparou com um grupo de homens armados que não conhecia. Havia quatro deles e eles estavam levando uma mulher à força.

ao voltar para sua cabana depois de trabalhar com alguns camponeses da região, ele se deparou com um grupo de homens armados que não conhecia

Depois disso, Martín passou dois dias em Bogotá de licença. Ele voltou cedo na sexta-feira para o parque, sem contar a ninguém sobre a cena que testemunhou, certamente ciente de que isso poderia custar-lhe a vida.

No sábado 2 de fevereiro de 2008, por volta das 8:30 da noite, ele ligou para sua tia Carmen Elena Triana, que ele visitava com frequência na comunidade vizinha de Granada. “Elenita, estou ferido, venha me pegar”, ele suplicou, sua voz se interrompia mas falava com urgência. Embora não haja certeza, os indícios sugerem que assaltantes desconhecidos atiraram nele pelas costas enquanto trabalhava. Eles devem ter-lhe tirado o telefone porque ele não o atendeu novamente. 

“Nunca lhe deram nenhum aviso. Não lhe deram uma chance. Atiraram pelas costas”

Elsa Acero

Quando as autoridades chegaram à cabana, Martin já estava morto. O diagnóstico médico foi de choque hipovolêmico, causado pelo ferimento de bala na medula espinhal, perda severa de sangue e falta de atendimento médico.

“Nunca lhe deram nenhum aviso. Não lhe deram uma chance. Atiraram pelas costas”, diz Elsa Acero, sua mãe.

Um mês depois, em uma operação liderada pela Gaula (uma unidade antissequestro das Forças Armadas), Libia Camila Domínguez, uma mulher de 22 anos para quem foi pedido um resgate de um bilhão de pesos (US$ 300.000), foi resgatada. Quatro homens foram capturados, juntamente com um arsenal de armas: um fuzil AK-47, uma submetralhadora, duas granadas, duas espingardas e dois revólveres.

Os quatro foram condenados pelo sequestro agravado por extorsão de Domínguez a até 59 anos de prisão: Carlos Adolfo Plazas Ramírez, conhecido como ‘Parrilla’, comerciante; Elisein Pinto Pérez, conhecido como ‘Pedro’, pedreiro; Uriel Beltrán Lozano, conhecido como ‘Fredy’, comerciante; E Gonzalo Chávez Vargas, conhecido como ‘Andrés’, motorista.

FOTOS DE MARTÍN DUARTE COMO GUARDA FLORESTAL. CORTESIA: FAMÍLIA DUARTE ACERO

no dia seguinte a ter ouvido um tiro na floresta, um deles lhe disse que tinha tido um problema com um engenheiro ambiental “alcaguete”

O julgamento pelo assassinato de Martín foi tão traumático para a família Duarte que eles deixaram de ir às audiências, feridos pelos constantes adiamentos por razões processuais. Para eles, o caso parecia forte e claro: Libia Camila testemunhou – de uma câmara Gesell cuja janela escura impedia que seus captores a vissem – que, no dia seguinte a ter ouvido um tiro na floresta, um deles lhe disse que tinha tido um problema com um engenheiro ambiental “alcaguete”. “Você sabe que eles estão a procurando e aquele homem viu alguma coisa, então atiraram nele”, disse ela que um de seus captores lhe disse.

“Muitos documentos, mas sem resultados”

José Venancio Duarte

Mesmo assim, em 28 de abril de 2014, seis anos após o assassinato de Martín e apesar do pedido da Procuradoria Geral para condenar os quatro suspeitos de homicídio agravado, um tribunal de Bogotá os absolveu por falta de provas concretas. A juíza Martha Cecilia Artunduaga decidiu que “não se pode concluir que haja qualquer prova direta e séria que possa refutar a presunção de inocência dos réus”

“Muitos documentos, mas sem resultados”, diz o pai de Martín, José Venancio Duarte, sem amargura, mas com profundo pesar.

Guardas florestais em meio à guerra

Ser um guarda florestal na Colômbia significa muito mais do que proteger um parque nacional.

Em um país devastado por meio século de guerra que deixou 220.000 mortos e 8,8 milhões de vítimas, significava lidar com uma miríade de grupos armados – muitas vezes em conflito entre eles – e persuadi-los de que seu trabalho não era prejudicial a eles.

Ainda hoje eles têm que lidar com vastas plantações ilegais de coca e papoula, plantadas em pastagens onde as florestas foram derrubadas para dar lugar a elas. Com dragas e retroescavadeiras sedentas de ouro e coltan escondidos. Com o desmatamento desenfreado que procura deliberadamente ‘desmantelar’ a floresta para vender madeiras finas ou para apropriar-se de terras públicas. Ou com as minas antipessoais plantadas para quebrar a perna de qualquer humano – ou animal – que as pise.

FOTOS DE MARTÍN DUARTE COMO GUARDA FLORESTAL. CORTESIA: FAMÍLIA DUARTE ACERO

Martin não foi o primeiro. A lista é longa e cobre quase toda a geografia do país.

Três anos mais tarde, dois outros guardas florestais morreram violentamente.

Em 29 de abril de 2011, o técnico ambiental Jaime Girón Portilla percorria uma trilha no Parque Natural Nacional Serra dos Churumbelos, que protege 970 quilômetros quadrados de floresta tropical na Bota Caucana, no sudoeste do país, quando uma mina antipessoal o matou.

“Ele sempre teve o objetivo de trabalhar em Parques Nacionais. Estudava os nomes de todas as aves com seus livros e estava ciente dos danos causados às florestas. ‘Impacto ambiental’ eram as palavras que ele falava com mais frequência”

Yadira Vargas

Girón, que estava apenas em seu quarto mês como guarda florestal, estava no meio de uma viagem de uma semana para ajudar um vizinho a fazer georreferenciamento de terreno que seria usado para a conservação. Ele foi evacuado em um helicóptero militar, ferido na perna esquerda, mas morreu antes de chegar ao hospital em Villagarzón, Putumayo.

“Ele sempre teve o objetivo de trabalhar em Parques Nacionais. Estudava os nomes de todas as aves com seus livros e estava ciente dos danos causados às florestas. ‘Impacto ambiental’ eram as palavras que ele falava com mais frequência”, lembra sua esposa Yadira Vargas, para quem o acidente significou ter que criar dois filhos, um deles com um ano de idade, sozinha.

Cinco meses depois, Jairo Antonio Varela foi assassinado no Parque Nacional Paramillo, um cruzamento de cordilheiras que tem sido uma das rotas mais cobiçadas pelos traficantes de drogas para contrabandear drogas através do Mar do Caribe.

estranhos os interceptaram em várias ocasiões para perguntar por que estavam medindo as terras sem permissão.

Varela, de 48 anos, não era apenas um funcionário do parque, mas também o reconhecido líder de Saiza, uma comunidade deslocada pelos paramilitares que estava retornando. Como reconstruído pelo site Verdad Abierta, Jairo e seus colegas estavam atualizando o censo de 1.039 famílias que vivem dentro do parque, para eventualmente compensá-las pelas atividades que não podiam mais fazer porque viviam em uma área protegida. Para isso, eles visitaram, um a um, as 33 aldeias do corregimento onde Jairo nasceu, conversaram com os moradores e escreviam o que cada família fazia em sua fazenda.

Logo se depararam com um problema: em um terço das aldeias, pessoas desconhecidas estavam plantando coca, resultado de um repovoamento aparentemente dirigido pelas Farc. Embora Jairo tivesse falado com um líder local das Farc e o informado sobre a importância do censo, estranhos os interceptaram em várias ocasiões para perguntar por que estavam medindo as terras sem permissão.

ESTE É O DIÁRIO DE CAMPO MANTIDO POR JAIME GIRÓN DURANTE A VIAGEM NA QUAL ENCONTROU SUA MORTE NO PARQUE NACIONAL DE CHURUMBELOS.

Os três guardas florestais eram os olhos do Estado em territórios onde o ele historicamente esteve ausente e onde havia interesses muito mais poderosos do que aqueles que eles podiam controlar

Na noite de 5 de outubro de 2011, pessoas armadas o convocaram para uma reunião da qual ele nunca mais voltou.

Os três guardas florestais eram os olhos do Estado em territórios onde o ele historicamente esteve ausente e onde havia interesses muito mais poderosos do que aqueles que eles podiam controlar.

O fardo de ser o Estado é realmente muito injusto. Nós lhes atribuímos funções de controle e vigilância para lidar com problemas de caça, turismo mal administrado ou uso indevido da água, como se estivéssemos em Yellowstone. Nunca se pensou que – armados com um uniforme e um código de recursos naturais – teriam que enfrentar guerrilheiros, paramilitares e grupos criminosos”, diz Eugenia Ponce de León, advogada ambientalista que dirigiu o Instituto Humboldt e foi ouvidora ambiental.

“Nunca se pensou que – armados com um uniforme e um código de recursos naturais – teriam que enfrentar guerrilheiros, paramilitares e grupos criminosos”

Eugenia Ponce de León

Como diz a mãe de Martín, “eles não tinham nem um alfinete para se defenderem, talvez os paus das árvores”. Eles estavam totalmente desprotegidos.

FOTOS DE JAIME GIRÓN EM SUA ÚLTIMA SEMANA DE TRABALHO E DE SUA ESPOSA YADIRA, QUE ASSUMIU SEU PAPEL DE GUARDA FLORESTAL. CORTESIA: YADIRA VARGAS

A janela de oportunidade para descobrir o que aconteceu

Uma coisa que as famílias destes três guardas florestais têm em comum: elas querem, acima de tudo, saber exatamente por que eles morreram. 

“Queremos realmente saber o que aconteceu. Se não fosse porque ele fez a chamada, corajosamente, ferido mortalmente, não haveria nada. Estaríamos falando de uma pessoa desaparecida“, diz Javier Duarte, um arquiteto especializado em espaço público e irmão mais velho de Martín.

“Queremos realmente saber o que aconteceu”.

Javier Duarte

Como muitas vítimas do conflito, a família de Martin quer saber – acima de tudo – a verdade. Se as 27.000 propostas enviadas pelas vítimas à mesa de negociações em Havana são algum indicador, aqueles que mais sofreram com a violência dão prioridade à possibilidade de reconstruir suas vidas (34%) e conhecer a verdade (16%), mesmo antes que a justiça (11%).

A família Duarte tem várias hipóteses, mas poucas certezas. De acordo os boatos na área de La Macarena, dois dos detentos absolvidos eram guerrilheiros das Farc e os outros dois eram civis. Eles também acreditam que os sequestradores eram possivelmente novos guerrilheiros na área, o que explicaria porque não tinham nenhuma referência deles.

Onze anos após o assassinato de Martin e dois anos após a assinatura do Acordo de Paz, que levou a 13.049 membros das Farc a deporem suas armas, há finalmente novas pistas.

Depois de comparar os nomes das quatro pessoas condenadas pelo sequestro de Libia Camila com as listas das Farc, descobrimos que duas delas têm de fato alguma ligação com a antiga guerrilha marxista.

já que a maioria das pessoas não entra no sistema prisional colombiano por causa de seu status de guerrilheiro, mas por causa de crimes específicos

Um deles, Elisein Pinto, está entre os 3.170 presos (“pessoas privadas de liberdade” ou PPL, no jargão do Acordo de Paz) que as Farc reconheceram nas listas que entregaram de seus combatentes. Após as devidas verificações, o governo o confirmou como membro das Farc, tornando-o assim elegível para os benefícios e obrigações do acordo.

Embora já tenha passado uma década desde sua condenação, só agora foi possível estabelecer com certeza sua filiação à guerrilha, já que a maioria das pessoas não entra no sistema prisional colombiano por causa de seu status de guerrilheiro, mas por causa de crimes específicos. Como resultado, o Estado muitas vezes não sabia quem eram os membros das Farc na prisão.

O segundo caso, o de Carlos Adolfo Plazas, é mais complexo. Ele aparece nessas mesmas listas, mas depois foi excluído em 22 de setembro de 2017, a pedido das próprias Farc, mas razão é pouco clara, em virtude de uma disposição do acordo que lhes dá a responsabilidade de compilá-las.

Isto significa que pelo menos um dos suspeitos do assassinato de Martín pode ajudar a reconstruir o que aconteceu em 2 de fevereiro de 2008.

Este cenário é possível porque o acordo de paz colombiano concebeu um sistema de justiça de transição inovador, em que – em vez de privilegiar o direito de qualquer vítima em relação às demais – a Colômbia optou por tentar satisfazer a todos.

pelo menos um dos suspeitos do assassinato de Martín pode ajudar a reconstruir o que aconteceu em 2 de fevereiro de 2008.

Sob esta fórmula, ex-combatentes das Farc poderão receber uma sentença mais branda por crimes graves, como assassinato e sequestro, se cumprirem três condições inevitáveis: reconhecer sua responsabilidade, contar a verdade que sabem e compensar suas vítimas. Com este modelo, a Colômbia procura cumprir suas obrigações legais, assegurando ao mesmo tempo que os direitos das vítimas à verdade, justiça, reparação e não repetição sejam respeitados.

A Jurisdição Especial para a Paz (comumente conhecida como JEP) está encarregada de investigar, julgar e punir os crimes mais graves, enquanto a Comissão da Verdade tem a missão de reconstruir a verdade sobre o que aconteceu no conflito e a Unidade de Busca de Pessoas Desaparecidas está localizando os mais de 45.000 colombianos dos quais não há rastros, como o guarda florestal Daniel Moyá no Parque Nacional Los Katíos.

A criação deste sistema de justiça de transição – que vigorará por apenas três a quinze anos – fez com que vários cientistas e técnicos do setor ambiental pensassem: E se a JEP e a Comissão da Verdade investigarem os inúmeros danos contra o meio ambiente, desde os ataques contra oleodutos até o assassinato de funcionários que se preocupam com esses ecossistemas?

Dado o horror do que aconteceu na guerra, esta parece ser uma questão menor, mas não é. Os parques nacionais foram minerados, bombardeados, cultivados com coca, fumigados com glifosato [para erradicá-la], jogaram-lhes mercúrio, óleo, abriram estradas ilegais e comeram sua fauna”, diz Eugenia Ponce de León, que trabalha com guardas florestais desde que começou sua carreira há três décadas como advogada dos Parques Nacionais.

“Os parques nacionais foram minerados, bombardeados, cultivados com coca, fumigados com glifosato [para erradicá-la], jogaram-lhes mercúrio, óleo, abriram estradas ilegais e comeram sua fauna”

Eugenia Ponce de León

Ela e outros advogados ambientais prepararam uma análise jurídica propondo que há uma oportunidade única de avaliar os danos ambientais deixados pela violência, conseguiram persuadir o sistema de Parques Nacionais e estes últimos irão propor formalmente ao sistema de justiça de transição.

Entre seus argumentos está que o Estatuto de Roma – que criou o Tribunal Penal Internacional e que a Colômbia assinou – contempla que ataques que causam “danos extensos, duradouros e graves ao meio ambiente natural” podem ser considerados, em certos casos, como crimes de guerra.

Os parques nacionais não têm sido apenas o epicentro da guerra, mas são também o lar de recursos estratégicos: de mineração, energia, potencial agroindustrial e de infraestrutura. Apesar do Acordo de Paz, este patrimônio coletivo de todos os colombianos corre o risco de ser novamente vitimizado, porque esses interesses e recursos ainda estão lá”, diz Rodrigo Botero, diretor da Fundação para Conservação e Desenvolvimento Sustentável (FCDS), que foi chefe do escritório regional de Parques Nacionais na Amazônia por 10 anos.

“Apesar do Acordo de Paz, este patrimônio coletivo de todos os colombianos corre o risco de ser novamente vitimizado, porque esses interesses e recursos ainda estão lá”.

Rodrigo Botero

Sua proposta não sai de um vácuo. O próprio Acordo de Paz menciona a possibilidade de o reflorestamento ser considerado como uma forma de reparação às vítimas e como um projeto de trabalho para os ex-combatentes que estão se reintegram na vida civil. Da mesma forma, o programa de substituição da coca tem um plano especial para erradicar os 8.301 hectares de coca plantados em 16 parques (incluindo 2.832 em La Macarena). Finalmente, o mandato da Comissão da Verdade inclui a clarificação do impacto sobre os direitos ambientais dos colombianos.

Estas ideias, entretanto, precisam de um novo impulso após a mudança de governo e a chegada do Presidente Iván Duque, que prometeu implementar o acordo, mas na prática tem se inclinado a diluir seu significado histórico. Essa incerteza só cresceu em março, com sua decisão de se opor a partes de uma lei que regularia o trabalho do sistema de justiça de transição criado pelo acordo.

“É uma dívida deste país. Não devemos continuar em silêncio sobre os passivos ambientais que esta guerra nos deixou. Esta é a oportunidade de torná-la visível e ter decisões exemplares, para ver como podemos garantir que não volte a acontecer”, diz Ponce de León.

“Esta é a oportunidade de torná-la visível e ter decisões exemplares, para ver como podemos garantir que não volte a acontecer”

Se essa ideia se concretizar e a JEP decidir abrir um macro caso, a Colômbia poderia entender muito melhor o papel contraditório desempenhado por uma guerrilha que, ao mesmo tempo, se escondia no denso tapete verde da selva e impunha ‘manuais ambientais’ que restringiam a caça e o corte de madeira, enquanto explorava oleodutos e se financiava através de economias criminosas e predatórias, como o cultivo de coca e a mineração ilegal.

A responsabilidade direta das Farc é clara em pelo menos mais um desses três casos.

“Infelizmente, sim, essa decisão foi tomada”, reconheceu em 2016 ‘Manteco’, o comandante da 58ª Frente operando na área, quando perguntado pelo portal de investigação Verdad Abierta sobre a morte de Jairo Varela.

“Foi dito a Jairo, quinze dias antes, ‘pare’ porque ele estava fazendo um censo e medindo as terras com o único propósito – que era o engano – de legalizar as terras e [que] Parques podia fazer qualquer negociação com os camponeses. E o homem não estava fazendo isso: era um novo deslocamento”, acrescentou ele, falando em câmera, em uma reportagem especial sobre caso de Paramillo.

CORTESIA DE VERDAD ABIERTA

Um ano após essa admissão, Yoverman Sánchez Arroyave – o verdadeiro nome de Manteco – depôs suas armas como parte do Acordo de Paz e se estabeleceu na zona de concentração de Gallo em Córdoba, para iniciar o processo de reincorporação à legalidade. Após as dificuldades logísticas deste local remoto, este grupo de ex-combatentes das Farc mudou seu acampamento para Mutatá, em Antioquia, onde começaram sua nova vida e onde Sánchez ainda vive.

No caso de Jaime Girón, a responsabilidade é mais difícil de estabelecer, pois tanto as Farc quanto a guerrilha do Exército de Libertação Nacional (ELN), que ainda está em armas, usaram minas como arma de guerra e tiveram presença na Bota Caucana.

Entretanto, o uso de minas – que deixou 11.462 vítimas diretas (sem contar membros da família) – é uma das verdades pelas quais as Farc (desmobilizadas) terão que responder à justiça de transição. O ‘Monitor de Minas’, o relatório anual da Campanha Internacional para a Eliminação de Minas (ICBL) que mede o cumprimento de cada país na eliminação desses dispositivos explosivos contemplados na Convenção de Ottawa, os descreveu como “os mais prolíficos usuários de minas entre os grupos rebeldes do mundo”.

Se o dossiê ambiental chegar à JEP e à Comissão da Verdade, muitos ex-membros das Farc – incluindo Elisein Pinto e Yoverman Sánchez – serão obrigados a contar o que sabem sobre casos como o de Martín e Jairo.

Funcionários de um Estado insensível

 Muitas famílias também se sentem feridas pelo Estado para o qual seus entes queridos trabalhavam, o qual eles julgam distante e indolente com suas tragédias.

“Eles nunca nos ligaram nem vieram nos visitar. Você sabe o que aconteceu com a menina, que tinha 13 anos? Nunca lhes ocorreu ajudar-nos com um psicólogo para sua mãe, seu pai, seus irmãos? É uma ausência total do Estado”, diz Elsa Acero, sentada na sala de estar de sua casa no oeste de Bogotá. Na mesa na frente dela está uma foto de Martín, sorrindo, usando seu colete azul de guarda florestal, em um barco no Parque Nacional de Amacayacu.

“Eles nunca nos ligaram nem vieram nos visitar. Você sabe o que aconteceu com a menina, que tinha 13 anos? Nunca lhes ocorreu ajudar-nos com um psicólogo para sua mãe, seu pai, seus irmãos? É uma ausência total do Estado”

Elsa Acero

“Ele não merecia isso porque deu toda a sua vida em favor dos Parques. Ele vivia apaixonado por seu trabalho”, acrescenta.

“Nunca houve indiferença. Com as famílias em áreas remotas, não temos sido capazes de lhes fornecer o tipo de assistência abrangente que gostaríamos. Tentamos dá-la aos funcionários e contratantes: com eles já temos muitos casos, contando aqueles que foram ameaçados“, diz Julia Miranda, diretora de Parques Nacionais há 15 anos.

Em resposta ao nosso direito de petição, a entidade explicou que tinha a intenção de fornecer acompanhamento psicossocial aos membros da família, mas que “devido a limitações orçamentárias e logísticas, ao número insuficiente de pessoal para tratar destas questões na época e à operacionalidade das áreas na época dos eventos, apenas algumas abordagens iniciais foram feitas”.

“devido a limitações orçamentárias e logísticas, ao número insuficiente de pessoal para tratar destas questões na época e à operacionalidade das áreas na época dos eventos, apenas algumas abordagens iniciais foram feitas”.

Com o passar do tempo, muitos dos objetos de Martin se perderam. Os cadernos e livros de psicologia foram entregues a uma sobrinha. Tiraram a “lâmpada de árvore”, que ele fez em seu tempo livre de um tronco de árvore, porque ocupava muito espaço. Ainda ficam um cartaz de uma vitória real, e um maracá que ele fez à mão de com totumo seco.

Eles arcaram com tudo, desde curar a dor de perder um filho até criar sua neta, quase sozinhos. Agora eles estão felizes porque Stephanía, engenheira civil da Universidade de La Salle e especialista em infraestrutura, acaba de entrar na Escola Naval de Cadetes para seguir uma carreira na Marinha colombiana. Seguindo os passos de seu pai, ela até trabalhou por seis meses na prefeitura de Puerto Nariño, na Amazônia.

O único apoio financeiro que eles receberam, dizem, veio da fundação The Thin Green Line, fundada pelo guarda florestal australiano Sean Willmore para apoiar as famílias de seus colegas que morreram no cumprimento de suas obrigações ao redor do mundo. Caso contrário, nada.

“Como funcionário público, digo: sempre que me lembro de que um irmão deu sua vida por uma entidade, eu digo ‘não vale a pena’. O funcionário público tem esse problema: ele dá muito por tão pouco”, diz Javier Duarte.

“O funcionário público tem esse problema: ele dá muito por tão pouco”.

Javier Duarte

Para ser franco, não foi apenas o Estado que os abandonou. Um denso arquivo mostra como a Colmena, a seguradora de riscos ocupacionais, negou à família Duarte a indenização a que tinham direito porque Martín tinha morrido enquanto trabalhava.

Após uma longa troca de cartas entre Parques Nacionais e um advogado de risco ocupacional da Colmena, a empresa notificou o Governo em 4 de abril de 2008 que – em suas próprias palavras – “não está claro o que aconteceu” e que os acontecimentos “não estão relacionados a fatores de risco ocupacional específicos das funções relacionadas ao trabalho do senhor Duarte como tecnólogo”. Portanto, determinou que “a presunção de origem comum do fato ocorrido não foi contestada, razão pela qual a Colmena Riesgos Profesionales classifica tal evento como de origem comum e não profissional”. A família Duarte não foi sequer notificada pessoalmente.

O Estado colombiano ratificou a versão da família Duarte. “Todas as medidas administrativas pertinentes ao alcance da Administração na reclamação foram tomadas, sem um resultado positivo”, nos reconheceu Parques Nacionais, ressaltando que a empresa argumentou que Duarte não tinha notificado seu chefe que ele estaria no parque e que ele estava em licença compensatória.

“Havia todas as evidências, era claro o caminho que eles iriam tomar. Todos tiraram o corpo para não ter nenhuma responsabilidade”

Yadira Vargas

Uma história semelhante aconteceu com a Yadira Vargas. Embora ela não tenha guardado nenhum documento, assegura que a empresa de risco profissional – no caso dela a estatal Positiva – também não reconheceu o acidente de trabalho de Jaime.

“Havia todas as evidências, era claro o caminho que eles iriam tomar. Todos tiraram o corpo para não ter nenhuma responsabilidade”, lembra Yadira, que ainda guarda em casa o caderno azul de campo do marido. Em suas páginas, juntamente com as datas do dia em que se conheceram e os nascimentos de seus filhos, Jaime escreveu meticulosamente as coordenadas, alturas e nomes de cada lugar por onde passaram naquela fatídica semana. Na sexta-feira – o quinto dia de sua viagem – o diário estava em branco.

“Eles não vão dar dinheiro, mas eu tinha tanta responsabilidade com dois filhos pequenos – um deles de um ano – e eu fiquei só”, diz Vargas, que foi demitida de seu emprego em uma empresa de saúde dois meses depois de ficar viúva porque, segundo lhe disseram, ela não estava separando assuntos pessoais e profissionais. Para criar Lesly e Óscar, ela herdou o contrato de seu marido no Parque e praticamente retomou seu trabalho, incluindo caminhadas por até uma semana na floresta. Ela ficou em Churumbelos por um ano e meio, até desistir quando foi designada para um passeio perto do local onde ele pisou na mina. “O que acontecerá com meus filhos se algo acontecer comigo, eu pensei. Parques é uma empresa muito boa e seu objetivo é muito bom, mas o risco é latente”, lembra.

“O que acontecerá com meus filhos se algo acontecer comigo, eu pensei. Parques é uma empresa muito boa e seu objetivo é muito bom, mas o risco é latente”.

Yadira Vargas

Julia Miranda reconhece estes problemas com as seguradoras, razão pela qual Parques Nacionais está atualmente promovendo uma mudança no regime trabalhista dos guardas parques que trabalham em áreas perigosas, o que incluiria prêmios de risco e medidas adicionais de proteção. A proposta, explicou, está pronta, mas terá de passar pelo Congresso.

A família Duarte sofreu outra grande decepção quando escreveu para o reitor da Universidade Nacional Aberta e à Distância onde Martín estava estudando, pedindo-lhe que considerasse a possibilidade de conceder-lhe um diploma póstumo.

Eles receberam apenas uma recusa fria. De acordo com Javier, “a resposta foi que não era possível, que ele tinha que ter aprovado o nono semestre, quando se tratava de uma questão humana”. Não importava para eles que este favor – que não prejudicava ninguém – fosse o que os ajudaria a reconstruir suas vidas.

Como diz Elsa, “imagine, a satisfação de ver seu filho como psicólogo”.

Decepcionados no Estado, a família Duarte decidiu não se credenciar perante a Lei de Vítimas criada pelo governo de Juan Manuel Santos em 2011 para identificar e reparar as 8,8 milhões de vítimas do conflito colombiano. Como resultado, eles não estão nem mesmo entre as estatísticas do legado de atrocidades deixadas por meio século de violência.

“É uma ferida aberta, uma ferida do dia a dia. Não estamos interessados em nada, mas que eles sejam realmente lembrados”

José Venancio Duarte

Embora o registro de vítimas tenha sido concluído em 2015, alguns juristas acreditam que o prazo extraordinário de dois anos por motivos de força maior deveria se aplicar às vítimas das Farc, visto que muitas vivem em regiões onde antes não havia condições para denunciar o que elas sofreram. Esse período, que seria marcado pelo fim do desarmamento em agosto de 2017, terminaria para a família Duarte em seis meses.

No final, com que famílias como as de Martin, Jairo, Jaime ou o recém-falecido Wilton sonham?

“É uma ferida aberta, uma ferida do dia a dia. Não estamos interessados em nada, mas que eles sejam realmente lembrados”, diz José Venancio Duarte.

“os heróis não só usam verde [militar ou policial], mas também azul”. 

Rodrigo Botero

Para cada família a forma é diferente, mas a substância é a mesma: uma placa, o nome de uma escola rural, uma foto dele em um prédio público, um salão da fama que mostre – nas palavras de Rodrigo Botero – que “os heróis não só usam verde [militar ou policial], mas também azul”.

Como diz Javier, “os guardas florestais devem receber o status que têm em outras partes do mundo: são protetores da natureza e das comunidades, disseminadores da vida. Aqui eles não são ninguém”.

Esta reportagem foi feita como parte de uma bolsa de jornalismo do Centro Carter sobre a saúde mental e emocional das vítimas do conflito.

Tierra de Resistentes

Base de datos de Tierra de Resistentes

Lo que dicen los datos sobre los ataques a los resistentes

Análisis de la base de datos de líderes del medio ambiente perseguidos y asesinados en Latinoamérica.

Metodología

La base de datos de Tierra de Resistentes busca dimensionar el universo de líderes y comunidades que ha sufrido episodios de violencia. Más que nombres, cada registro documenta una historia y una realidad.

Más reportajes:

“Sem território, não somos nada”

Quienes defienden la Sierra Tarahumara, una de las zonas boscosas más importantes de México, se enfrentan al narcotráfico, a caciques locales, a la imposición de proyectos extractivos y a la indiferencia gubernamental. Esos defensores son, en su mayoría, indígenas cuya identidad se forjó entre montañas, barrancos, pinos y manantiales. Sin ese territorio, dicen, ellos no son nada. Por eso lo protegen. Por eso se niegan a que se talen sus bosques y a que sus manantiales se sequen. Por eso enfrentan a quienes buscan cortar sus raíces.

A defesa da água está custando a vida aos camponeses do Putumayo

Un recorrido por el municipio de Puerto Asís, en el Bajo Putumayo de Colombia, revela el drama diario que afrontan sus pobladores. Amenazas de muerte que se convierten en realidad y comunidades sin agua por causa de la contaminación.

O professor perseguido

Durante casi una década, Pepe Acacho —dirigente shuar, docente, asambleísta, líder indígena— pasó entre trámites, audiencias y defensas de un delito que no cometió. El presidente Lenín Moreno lo indultó hace apenas un año pero cuando ve policías cerca de él, Acacho aún teme que lo vayan a arrestar.

Os guardiões dos parques que a guerra levou consigo

Cuidar un parque nacional en Colombia, con su longevo conflicto armado, es una profesión riesgosa y poco agradecida. Tras años de impunidad y olvido, las familias de tres guardaparques asesinados podrían por fin entender qué les sucedió, ahora que sus casos podrían llegar a la justicia transicional creada por el Acuerdo de paz firmado entre el Gobierno colombiano y la antigua guerrilla de las FARC en 2016.