La Toma: um presságio

As ameaças de morte contra seus líderes não impediram a luta desta comunidade negra, localizada no departamento de Cauca, para defender suas águas e terras dos interesses das multinacionais, do desprezo do governo e da investida da mineração ilegal.

La Toma, que em português traduz para a tomada, é uma comunidade localizada no município de Suárez (Cauca, Colômbia) que poderia muito bem ser catalogada como a ‘capital mundial dos paradoxos’.

É banhada por sete rios, mas não tem água potável.  Em suas terras foi estabelecida uma usina hidrelétrica, mas eles pagam energia mais cara do país. Eles nunca se sentiram tão inseguros como quando uma base militar foi instalada em seu território. E nunca foram tão pobres como no dia em que o mundo soube que La Toma estava cheia de ouro.

Cada paradoxo resume uma etapa da luta que esta comunidade vem empreendendo há três décadas no sudoeste da Colômbia, que há dezenas de anos recebeu o nome de “La Toma”, como se seu batismo fosse uma premonição: a tomada.

Desde 1851, ano em que a escravidão foi abolida na Colômbia, muitos desses negros se estabeleceram na maior cidade do município de Suárez porque suas montanhas verdes lhes garantiam terras férteis, os rios Cauca e Ovejas forneciam água e pesca, e lá eles permaneceram longe dos olhos daqueles que achavam que sua liberdade era um presente.

Durante 150 anos, a comunidade de La Toma nunca existiu para o Estado colombiano. Eles sobreviveram com os próprios meios nas fazendas Portugalete, Honduras e Gelima, onde se dedicaram à pesca, à agricultura ou ao garimpo da terra por uma faísca de ouro. Sempre em uma relação de cumplicidade e harmonia com a natureza. 

Mas esta comunidade negra, formada por 1.300 famílias, teria preferido permanecer anônima. Porque quando tomaram conta deles – em meados dos anos 2000 – foi porque eram um obstáculo no mapa dos megaprojetos da mineração de ouro do Estado.

Seu primeiro grande desafio como comunidade surgiu em meados de 2004, quando o governo do então presidente Álvaro Uribe Vélez concedeu à Kedahda S.A. um título de exploração de 50.000 hectares entre os municípios de Suárez e Buenos Aires para mineração de ouro. O tamanho da área onde o governo lhes permitiu explorar era tão grande, diz a comunidade, que nem mesmo o cemitério de La Toma foi poupado.

“Eles chegaram com o nome de Kedahda e como não encontraram lugar, apareceram como AngloGold Ashanti e começaram a meio-investir em uma pequena estrada e a dar incentivos”.

Isidoro Lucumí

A empresa Kedahda tinha se registrado na Colômbia um ano antes e em 2007 tinha recebido duas licenças de exploração e 49 contratos de concessão, segundo a Agência Nacional de Mineração, para explorar 11 milhões de hectares em todo o país. Posteriormente, esta empresa registrada nas Ilhas Virgens adotou em 29 de outubro de 2007 o nome de sua principal subsidiária, a multinacional sul-africana AngloGold Ashanti (AGA), que ainda mantém.

Isidoro Lucumí foi um dos primeiros funcionários da multinacional em La Toma. “Eles chegaram com o nome de Kedahda e como não encontraram lugar, apareceram como AngloGold Ashanti e começaram a meio-investir em uma pequena estrada e a dar incentivos. Um dia eu perguntei ao geólogo chefe por que estávamos investindo tanto tempo nesta área. Ele respondeu que ‘La Toma está sentada sobre ouro; é por isso que é tão cobiçada’”.

Desde aqueles primeiros dias, a comunidade se lembra de um excesso de gentileza. Davam ferramentas aos agricultores; no início do ano escolar doavam livros às crianças; compravam bolas e uniformes para aqueles que gostavam de futebol; e os grupos musicais recebiam instrumentos.

“outras pensaram que ‘elas não dão muito do que é bom’; elas têm alguma intenção. Já se falava de um projeto de mineração, ouvimos nossos anciãos e dissemos ‘não’ à AngloGold”.

Francia Márquez

“Algumas pessoas disseram: ‘essas pessoas realmente querem progresso’, mas outras pensaram que ‘elas não dão muito do que é bom’; elas têm alguma intenção. Já se falava de um projeto de mineração, ouvimos nossos anciãos e dissemos ‘não’ à AngloGold”, diz Francia Márquez, uma mulher que dedicou sua vida à mineração ancestral e que liderou a luta contra a mineração ilegal em seus territórios. Esse esforço, colocando sua vida em risco, lhe valeu o Prêmio Ambiental Goldman de 2018, considerado o Nobel verde.

As relações com a AngloGold Ashanti, o terceiro maior produtor de ouro do mundo, estavam nas piores condições possíveis. Em meio a esta luta pelo território, dizem os membros do conselho comunitário, chegaram os primeiros panfletos ameaçadores para seus líderes.

As ameaças vieram de supostos grupos paramilitares. O Bloco Calima das Forças Unidas de Autodefesa da Colômbia (AUC), que, segundo o Centro Nacional de Memória Histórica, cometeu 119 massacres entre 1999 e 2004, semeou o terror na região. O medo era latente.

‘deixe-os nos matarem porque nós não vamos mais embora de La Toma’

Apenas três anos antes, o Bloco Calima tinha realizado um massacre na região costeira próxima de Naya, matando 27 pessoas, e em sua viagem de Timba, Cauca, para o Oceano Pacífico traçou seu rastro de morte no município de Suárez.

“Para nós foi muito difícil quando essas ameaças vieram, dando a nossos camaradas oito dias para deixar o território. Quando chegaram à cidade, sem saber o que fazer, não aguentaram e, após dois meses, voltaram. Eles disseram: ‘deixe-os nos matarem porque nós não vamos mais embora de La Toma'”, lembra Márquez.

Foram dias em que esta comunidade ficou em silêncio, e já não se ouvia o ritmo musical das chirímias, dos torbellinos e das fugas, nem o som envolvente de violinos e tambores. As ruas da comunidade no alto das montanhas, onde a neblina aparece a cada amanhecer, eram um deserto. A recomendação era que em cada casa houvesse um telefone com pelo menos um minuto para avisar de qualquer movimento estranho. Todos permaneciam vigilantes.

“Se ela não tinha uma razão clara, a comunidade o retinha e ele tinha que explicar em detalhes o que ele veio fazer”.

Jairo Chará

Jairo Chará, coordenador do comitê de mineração e que sobreviveu a um ataque em sua casa em 6 de dezembro de 2006, em meio à disputa territorial com AngloGold, lembra que a comunidade se organizou para se proteger. “Desde esse momento, qualquer pessoa que entrasse em La Toma devia dizer de onde vem e quais são suas intenções. Se ela não tinha uma razão clara, a comunidade o retinha e ele tinha que explicar em detalhes o que ele veio fazer”, diz ele.

Mas em La Toma eles ainda não tinham conseguido conter os interesses da empresa de mineração de ouro quando tiveram que começar outra frente de luta. Desta vez, era intenção da Empresa de Energia do Pacífico (EPSA) expandir outro megaprojeto que, historicamente, também têm visto como um risco.

A empresa espanhola Unión Fenosa propôs desviar o rio Ovejas para a barragem hidroelétrica de Salvajina – que foi construída sobre o curso fluvial do rio Cauca em 1986 pela Corporação Autônoma Regional do Vale (CVC) – a fim de aumentar a capacidade de produção de energia em 20%.

‘o rio Ovejas para nós é vida, é dignidade e não tem valor. Podem oferecer todo o dinheiro do mundo, mas não vamos permitir que este rio seja desviado’

“O povo disse: ‘o rio Ovejas para nós é vida, é dignidade e não tem valor. Podem oferecer todo o dinheiro do mundo, mas não vamos permitir que este rio seja desviado’. Então o povo se organizou para lutar por seu rio também”, explica Francia Márquez.

Vários líderes dizem que, na época, a EPSA utilizou a estratégia de desacreditar os representantes da comunidade e colocou-os em risco em uma região com uma forte presença de grupos armados ilegais. A Associação dos Conselhos Indígenas do Norte do Cauca (ACIN), uma das mais fortes organizações indígenas da região, denunciou oficiosamente em 2005 que as autoridades da barragem tentaram apresentar assinaturas de presença em duas reuniões como suposto apoio das comunidades negras para o desvio do rio.

Ainda fresca na memória dos habitantes de La Toma está a dor da forma como o rio Cauca, o segundo rio mais importante da Colômbia e que lhes proporcionava seu sustento, foi arrebatado há três décadas. É por isso que tudo o que tem a ver com a barragem de Salvajina, construída para gerar 270.000 quilowatts de energia, é sensível para eles.

Esta massa de ferro e concreto alterou completamente o curso do Rio Cauca por 31 quilômetros e elevou o nível da água a mais de 100 metros acima das terras ancestrais dos afro-colombianos de La Toma. Abaixo de 849 milhões de metros cúbicos de água, terra, colheitas, as melhores minas e uma boa parte de suas tradições ficaram submersas.

Na memória do ancião Isidoro Lucumí permanece fresca a memória da impotência que sentiram quando foram tirados de suas terras com o que agora descrevem como uma falsa ilusão de progresso para sua comunidade.

“Quando estas pessoas chegaram, nós fomos pegos de calças curtas. Um engenheiro disse: “O seu é tanto e vale tanto”. Eu tinha um terreno de 9.720 metros e eles me pagaram 300.006 pesos e eu perguntei ao engenheiro por esses 6 pesos. A resposta foi ‘ou você pega ou larga. Se você não os levar, nós os depositaremos em uma conta sem nome em um banco e então você verá como tirá-los de lá’. Isso foi uma humilhação total. É por isso que não queremos mais multinacionais“, diz Isidoro.

“Eu tinha um terreno de 9.720 metros e eles me pagaram 300.006 pesos”.

Isidoro Lucumí

Os anciãos da comunidade dizem que com a barragem lhes foi prometido que o projeto de infraestrutura mais importante do sudoeste da Colômbia na época lhes traria turismo, estradas, escolas, saúde e qualidade de vida. Essa ilusão também não deu em nada. Eles vestiram o lobo com roupas de ovelha. 

O Grupo Celsia, proprietário da barragem e parte do Grupo Argos, garantiu em resposta a um pedido de informações que: “No momento da construção (da Salvajina) compromissos foram assumidos entre a comunidade e o Governo Nacional. Compromissos que como empresa nos correspondem hoje, são os que foram definidos a partir do processo de tutela e sentença julgada pela Corte Constitucional em favor das reservas indígenas de Cerro Tijeras (Suárez) e Honduras (Morales) em 2014, em que a EPSA é responsável por um componente de mobilidade, em coordenação com os municípios, departamentos e governo nacional”.  

“O que a Salvajina deixou foi miséria para minha comunidade”.

Francia Márquez

“O que a Salvajina deixou foi miséria para minha comunidade. Em Suárez as pessoas não têm eletricidade; a energia vem de uma micro central elétrica e as pessoas do estrato 1 recebem uma conta de 300.000 ou 400.000 pesos (100 a 130 dólares). Também temos esse lago e minha comunidade não tem água potável. As pessoas têm que esperar que chova para poderem beber água“, disse Márquez.

A construção da Salvajina forçou o deslocamento de mais de 6.000 pessoas. O município de Suárez passou de 23.500 habitantes em 1993 para 18.000 em 2006, de acordo com o Processo de Comunidades Negras (PCN), uma das mais fortes organizações sociais afro-colombianas a nível nacional.

O rio Ovejas novamente

Resistir com dignidade, evitando que a montanha fosse dividida para desviar o rio Ovejas e impedir a chegada de AngloGold Ashanti em seu território não impediu o interesse de forasteiros em suas terras. O pior ainda estava por vir, desta vez da mineração ilegal.  

Desde 2004, lembra a comunidade, havia conflitos com pessoas que tentavam entrar no rio o garimpo, mas elas conseguiam expulsá-las de seu território. No entanto, este cerco de forasteiros, geralmente do leste de Antioquia e Urabá em Chocó, tornou-se mais intenso ao ponto de que, desde 2010, eles têm vivido os piores momentos que podem lembrar.

As ameaças contra os líderes ambientais por parte de quadrilhas criminosas como Las Águilas Negras – Nueva Generación e Los Rastrojos, todas surgidas após a desmobilização dos paramilitares, aumentaram desde agosto de 2009. Essa ansiedade se transformou em medo em 7 de abril de 2010, quando homens armados mataram oito mineiros nas margens do rio Ovejas, próximo de La Toma.

Como resultado, aqueles que vêm ao município de Suárez, localizado a mais de uma hora de Cali (Vale do Cauca), encontram um desses quadros que parece pertencer à exposição errada.

O que de longe parece ser o bunker de uma missão diplomática perdida de Bogotá é na verdade uma humilde casa na entrada poeirenta da cidade, mobiliada apenas com uma mesa de plástico e várias cadeiras brancas, que serve como sede da Associação dos Conselhos Comunitários do Norte do Cauca (ACONC).

“Eles sabiam que não desaprovávamos a destruição que estavam causando, e daí surgiram novas ameaças por nos ‘opor ao desenvolvimento'”

Aníbal Vega

No interior, um punhado de líderes discute diariamente as questões que os afetam, enquanto fora são esperados por uma caravana de modelos novos de camionetes Toyota blindadas e um pequeno exército de homens armados da Unidade de Proteção Nacional, a agência governamental encarregada de proteger pessoas sob ameaça.

Mas uma tragédia a 40 quilômetros de La Toma lhes trouxe novos problemas. Em 2 de maio de 2014, um desmoronamento na mina San Antonio, no município vizinho de Santander de Quilichao, enterrou treze pessoas enquanto 150 retroescavadeiras ilegais rasgavam o leito do rio Quinamayó.

Francia Márquez participou do conselho de segurança local que foi realizado na época para discutir a mineração ilegal e lembra que as máquinas foram retidas, mas não havia nada para transportá-las, “e elas iam desaparecendo à noite até que não havia mais nenhuma”. Cerca de 20 delas foram parar no rio Ovejas, em seu território.

Nós, líderes, não podíamos sequer observar da montanha porque eles designaram um guarda para cada um de nós que lhes enviava relatórios sobre o que estávamos fazendo. Eles sabiam que não desaprovávamos a destruição que estavam causando, e daí surgiram novas ameaças por nos ‘opor ao desenvolvimento'”, diz Aníbal Vega, promotor no Conselho Comunitário de La Toma.

Do desespero da comunidade surgiu a famosa Marcha dos Turbantes em defesa da vida e do território, em novembro de 2014, na qual 30 pessoas caminharam de La Toma a Bogotá para pedir ao governo nacional que impedisse a destruição do rio.

Um mês depois, as forças de segurança destruíram as retroescavadeiras e a liderança de mulheres como Francia Márquez, Marilin Machado, Alexa Leonor Mina, Sofía Garzón, Yineth Balanta, Marlin Mancilla e Clemencia Fory começou a tomar forma.

Mesmo assim, a mineração ilegal levou o rio Ovejas à beira da destruição. A feroz investida das retroescavadeiras e mineiros ilegais rasgou vários trechos do leito do rio. Ao rio deformado foram acrescentadas outras trágicas consequências, principalmente para mulheres, como piscinas de cianeto e água de mercúrio.

“A corrida do ouro trouxe pessoas de muitas partes do país que eram, em sua maioria, pessoas ruins. Muitas mulheres foram estupradas”.

Aníbal Vega

“A corrida do ouro trouxe pessoas de muitas partes do país que eram, em sua maioria, pessoas ruins. Muitas mulheres foram estupradas e quando chegou a hora de processar, nós não sabíamos quem, porque não conhecíamos essas pessoas. Há muitas mães, muitas mulheres em nosso território que têm filhos e não conhecem seus pais“, denuncia Aníbal Vega.

Nem mesmo o próprio conselho comunitário sabe o número exato de mulheres que viveram esta situação, já que não há reclamações e há mulheres que optaram por ficar caladas diante de sua situação.

“todos os meus companheiros estão lá na comunidade, mas sou eu que não posso estar lá e fui eu que tive que fugir com meus filhos”.

Francia Márquez

Com a destruição das retroescavadeiras no rio Ovejas vieram ameaças de morte contra Francia Márquez e seus filhos, emitidas por grupos criminosos que queriam que ela lhes pagasse pelo valor das máquinas incineradas pelas autoridades. Francia teve que deixar a comunidade em janeiro de 2015.

Quando você é mulher e está enfrentando estas lutas, eles veem você como mais fraca e podem prejudicá-la. O melhor exemplo é minha situação: todos os meus companheiros estão lá na comunidade, mas sou eu que não posso estar lá e fui eu que tive que fugir com meus filhos. Sou eu quem não pôde voltar porque não tenho garantias“, diz Márquez, que após a marcha das mulheres também recebeu o Prêmio Nacional de  Direitos Humanos da ONG católica Diakonia e da Igreja Católica sueca.

Em defesa do patrimônio

O conselho comunitário de La Toma está convencido de que as batalhas que tiveram que travar foram promovidas por um Estado que, ao invés de reconhecer seu território legalmente registrado e seus direitos coletivos, como o direito de consulta prévia, optou por ignorá-los e ceder suas terras para que particulares pudessem ir atrás do ouro no subsolo.

De acordo com a resposta da Corporação Autônoma Regional do Cauca (CRC), a mais alta autoridade ambiental da região, a uma petição enviada para esta matéria, em La Toma uma dúzia de títulos de exploração e beneficiamento foram concedidos a indivíduos como Alonso Giraldo, Miguel Antonio Carabalí, Eusebio Lucumí e Raúl Fernando Ruiz.

Também empresas como AngloGold Ashanti e a canadense Cosigo Resources, que foi protagonista de uma notória disputa legal nas planícies orientais e recebeu um título de mineração em Cauca em 2007 para seu representante legal na Colômbia e no Brasil, Andrés Rendle.

Uma decisão histórica da Corte Constitucional em setembro de 2015, através da sentença C-035, impediu a Cosigo Resources de explorar ouro na área que tinha sido titulada dentro do Parque Nacional Yaigojé-Apaporis, no meio da Amazônia, com base em um direito concedido pelo governo de Álvaro Uribe após a criação da área protegida e em contravenção à proibição constitucional de realizar atividades de mineração dentro dos parques nacionais.

Esta mesma decisão abriu as portas para que várias empresas de mineração convocassem tribunais de arbitragem no âmbito da Convenção ICSID sobre a Solução de Controvérsias sobre Investimentos entre Estados e Nacionais de Outros Estados, que foi formulada pelos Diretores Executivos do Banco Mundial para promover o investimento internacional.

Até hoje, cinco empresas solicitaram arbitragem contra o Estado colombiano, que, além da deterioração das condições ambientais e sociais descritas, enfrenta agora milhões de dólares em processos judiciais: Gran Colombia Gold Corp., Galway Gold Inc., Red Eagle Exploration Limited, Eco Oro Minerals Corp. e Glencore International A.G. e C.I. Prodeco S.A.

Esse endosso significava que Sarria não teria que realizar o processo de consulta prévia mandatado pela Constituição colombiana e pela Convenção 169

Entretanto, as maiores preocupações em La Toma foram causadas pelo título concedido pela antiga Ingeominas (cujo título foi herdado pela atual Agência Nacional de Minas) a Héctor Jesús Sarria, personagem desconhecido dos habitantes locais, para extrair ouro em uma área de 99 hectares no setor de La Carolina por dez anos, a partir de março de 2006 e renovável até 2026.

O Ministério do Interior, em um relatório de comissão e verificação de 12 de junho de 2009, emitiu um certificado para endossar o projeto BFC-021, indicando que não havia população negra dentro de 18 quilômetros do projeto. Esse endosso significava que Sarria não teria que realizar o processo de consulta prévia mandatado pela Constituição colombiana e pela Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas, que a Colômbia assinou.

Depois que a comunidade de La Toma se recusou a permitir sua entrada, Sarria entrou com uma liminar administrativa pedindo para retirar as comunidades negras do território. Essa liminar foi concedida em abril de 2009 e, em março de 2010, a Primeira Vara da Circunscrição Administrativa de Popayán ordenou o despejo das comunidades afro.

“Quando soube que iam nos tirar da comunidade, decidi estudar direito. Eu não tinha dinheiro suficiente para o transporte ou para pagar a universidade, mas lembrei de que também não foi fácil para nossos antepassados, e graças a eles, hoje não temos os grilhões“, diz Márquez, que após 30 anos correndo livre entre montanhas e rios, dá esta entrevista em um pequeno apartamento que serve de refúgio contra as ameaças.

Em seu segundo semestre ele aprendeu que os direitos fundamentais podem ser protegidos e que a consulta prévia é um deles. Com seus companheiros Gabino Hernández e Yair Ortiz, ele preparou uma ação tutelar que apresentou em maio de 2010 perante o Tribunal Superior de Popayán, argumentando a violação de seus direitos à vida com dignidade, consulta prévia, trabalho, devido processo e autonomia e integridade culturais.

“Quando soube que iam nos tirar da comunidade, decidi estudar direito”.

Francia Márquez

A tutela foi negada em primeira instância porque La Toma não era supostamente uma comunidade negra com um título coletivo e isto foi ratificado em segunda instância pelo Supremo Tribunal de Justiça. A comunidade não desistiu e solicitou uma revisão pela Corte Constitucional.

Em 14 de dezembro, a mais alta corte da Colômbia anulou a decisão e manteve os direitos fundamentais da comunidade afro-colombiana de La Toma à consulta prévia e ao devido processo. Ordenou, entre outras coisas, que a Ingeominas “se abstenha de conceder ou suspender, conforme o caso, a licença ou licenças de mineração para o projeto do Sr. Héctor Jesús Sarria ou qualquer outro na comunidade de La Toma de Suárez, Cauca, até que a consulta prévia ordenada nesta sentença seja realizada de forma adequada e a respectiva licença ambiental seja emitida, em tempo hábil e se necessário”.

A luta não cessa

A comunidade de La Toma não baixa a guarda e permanece vigilante diante de qualquer tentativa legal ou ilegal de destruir a água ou seu território. O que os move atualmente é a afirmação de seus direitos e a realização de uma consulta prévia que conduza a um plano de gestão ambiental para a barragem de Salvajina.

“Já se passaram 35 anos desde que a barragem foi construída e não há um plano de gestão ambiental. Qualquer coisa grave pode acontecer com aquele muro e acabar com tudo porque não há um plano de contingência. Agora, a EPSA começou a criar um arremedo de Plano de Gestão Ambiental sem levar em conta os conselhos comunitários ou as reservas indígenas”, diz Marilyn Machado, membro do conselho comunitário.

“A empresa tem um plano de contingência, que é conhecido pelas comunidades desde o início do processo de consulta prévia em 2012”, respondeu o Grupo Celsia, e esclareceu que, de acordo com a legislação atual, “são as prefeituras que são chamadas a liderar os planos de gestão de risco nos municípios”.

“Já se passaram 35 anos desde que a barragem foi construída e não há um plano de gestão ambiental”

Marilyn Machado

Acrescenta em sua comunicação que “o plano de contingência foi socializado com o Escritório de Gestão de Riscos de Suárez em uma reunião realizada em 9 de maio de 2017″ e que o Procuradoria  Ambiental e Agrária do Cauca liderou algumas mesas de trabalho com entidades competentes para rever o plano de contingência da Central, que foi acordado com as comunidades a envolvidas”.

A EPSA foi criada em 1995, em conformidade com a Lei 99 de 1993, que obrigava a separação da regulamentação ambiental das empresas como a geração de eletricidade. Na época, a Salvajina era propriedade da Corporação Autônoma Regional do Vale do Cauca, a autoridade ambiental do departamento vizinho de Vale do Cauca, e era administrada pela empresa Colinversiones.

HÁ QUASE 40 ANOS A COMUNIDADE DE LA TOMA, NO NORTE DO CAUCA, VEM RESISTINDO À INVESTIDA DA MINERAÇÃO ILEGAL, AOS INTERESSES ECONÔMICOS DAS MULTINACIONAIS E AO DESPREZO DE UM GOVERNO QUE, PARA CONCEDER TÍTULOS DE MINERAÇÃO EM SUAS TERRAS, CERTIFICOU HÁ UMA DÉCADA QUE NÃO HÁ PRESENÇA DA COMUNIDADE NEGRA NESTE TERRITÓRIO ANCESTRAL EM 18 QUILÔMETROS DE DISTÂNCIA.

Começou uma longa lista de proprietários nacionais e estrangeiros. Do estado passou para a Houston Industries sediada nos EUA e para a empresa venezuelana Eletricidade de Caracas, que por sua vez cedeu suas ações à empresa espanhola Unión Fenosa em 2000 e depois para a Gas Natural Fenosa.

Agora é administrada pela Colener S.A.S., uma empresa que pertence 100% à Colinversiones S.A. e que hoje tem entre seus acionistas Inversiones Argos S.A., com seu gerador de energia Celsia, e Bancolombia S.A. Corporação Financeira. Ambas pertencem ao Grupo Empresarial Antioqueño (GEA), um dos maiores do país.

No entanto, o diálogo não prosperou com nenhuma das empresas, diz a comunidade.

Entretanto, os diretores da EPSA asseguraram que com o conselho comunitário de “La Toma, avança a fase de formulação de acordos associados às medidas que farão parte do Plano de Gestão Ambiental de operação e manutenção da usina hidrelétrica de Salvajina, que teve início em abril de 2018”.

‘O que aconteceu se não somos criminosos’

Marilyn Machado

A empresa assegurou que a consulta prévia aos conselhos comunitários teve um investimento de 2.802 milhões de pesos, cerca de 950.000 de dólares, e que foram feitos investimentos voluntários em La Toma, entre 2017 e 2018, por 881 milhões de pesos, aproximadamente 300.000 dólares.  

Houve uma reunião aqui para falar sobre consulta prévia e os diretores da EPSA chegaram acompanhados por caminhonetes cheias de soldados, e todos nós dissemos: ‘O que aconteceu se não somos criminosos'”, lembra Machado. 

HÁ QUASE 40 ANOS A COMUNIDADE DE LA TOMA, NO NORTE DO CAUCA, VEM RESISTINDO À INVESTIDA DA MINERAÇÃO ILEGAL, AOS INTERESSES ECONÔMICOS DAS MULTINACIONAIS E AO DESPREZO DE UM GOVERNO QUE, PARA CONCEDER TÍTULOS DE MINERAÇÃO EM SUAS TERRAS, CERTIFICOU HÁ UMA DÉCADA QUE NÃO HÁ PRESENÇA DA COMUNIDADE NEGRA NESTE TERRITÓRIO ANCESTRAL EM 18 QUILÔMETROS DE DISTÂNCIA.

Antes de proteger seus direitos, em 2013 o Estado colombiano instalou uma base militar em terras pertencentes à comunidade de La Toma. De repente, suas terras começaram a aparecer nos mapas de estratégia militar com o rótulo “zona vermelha”.

Um documento de 2013, diz a comunidade, afirma que foi através de um acordo entre o Ministério da Defesa, EPSA e a empresa de mineração Anglo American, que uma base da 29ª Brigada do Exército foi instalada em La Toma.

a ironia de que uma base militar é a única presença permanente de instituições estatais em seu território

Essa “dor”, como eles chamam a ironia de que uma base militar é a única presença permanente de instituições estatais em seu território, está presente em várias canções tocadas ao ritmo do lamento das cordas de violino, aquele instrumento europeu que os escravos aprenderam a fazer à mão para imitar as festas de seus senhores. 

Canções representativas como ‘Mi compadre no se va’, composta por Sabino Lucumí, representante legal do conselho comunitário e que conquistou o segundo lugar no Festival de Música do Pacífico Petronio Álvarez em 2013, o mais emblemático do Pacífico colombiano.

“Esta é uma canção que não só expressa nossos sentimentos em La Toma, mas nos sentimos muito orgulhosos porque outras comunidades também a tomaram como um hino e como fonte de reflexão porque devemos proteger o ouro e o território”, diz Eliomar Lucumí, compositor e membro do grupo musical Cañabrava.

“Os territórios onde construímos comunidade e recriamos nossa cultura não foram um presente; eles custaram a nossos mais encentrais muitos anos de trabalho e sofrimento nas minas de escravos”.

Francia Márquez

“Dê uma boa olhada companheiro veja, veja o que você vai fazer…

O território de La Toma, nós vamos proteger

Contra as multinacionais que querem nos deslocar

E outros que não deixaremos nos tirar…

Vamos explorar nosso ouro da maneira tradicional

Respeitem nossa cultura e nos deixem em paz”.

“Os territórios onde construímos comunidade e recriamos nossa cultura não foram um presente; eles custaram a nossos mais encentrais muitos anos de trabalho e sofrimento nas minas de escravos”, reitera Márquez.

Enquanto isso, Jairo Chará, que também toca violão no grupo Cañabrava, diz que “o povo de La Toma usará cada gota de seu sangue para defender o território”.

Tierra de Resistentes

Base de datos de Tierra de Resistentes

Lo que dicen los datos sobre los ataques a los resistentes

Análisis de la base de datos de líderes del medio ambiente perseguidos y asesinados en Latinoamérica.

Metodología

La base de datos de Tierra de Resistentes busca dimensionar el universo de líderes y comunidades que ha sufrido episodios de violencia. Más que nombres, cada registro documenta una historia y una realidad.

Más reportajes:

“Ataques contra comunidades indígenas buscam militarizar nosso território”

Lisa Lynn Henrito Percy, guardiã do povo pemon, foi acusada de secessionista e de traidora à pátria pelo alto comando militar venezuelano,...

Bajo Atrato e Darién: natureza cercada

https://www.youtube.com/embed/ZInvpWgqCow A história de Riociego é a mesma de outras comunidades da Bacia do Rio Salaquí e...

Ataques a ativistas ambientais persistem durante pandemia da Covid-19

“La violencia no se fue de cuarentena”. Esa frase, repetida por líderes sociales y ambientales en Colombia, es tristemente cierta en muchos países de América Latina.

O professor perseguido

Durante casi una década, Pepe Acacho —dirigente shuar, docente, asambleísta, líder indígena— pasó entre trámites, audiencias y defensas de un delito que no cometió. El presidente Lenín Moreno lo indultó hace apenas un año pero cuando ve policías cerca de él, Acacho aún teme que lo vayan a arrestar.