Os pescadores perderam a paciência

A pesca requer paciência e silêncio. E foi isso que os pescadores de El Estor perderam em maio de 2017. Esta é a história mínima, quase imperceptível, prestes a ser esquecida, de alguns pescadores que decidiram deixar as jangadas quando seu lago começou a ficar vermelho. Eles culpam a mina de níquel que opera neste município no nordeste da Guatemala há 50 anos pela contaminação. Carlos Maaz Coc, Alfredo Maquín e os outros membros do sindicato dos pescadores se cansaram do esquecimento e foram protestar para a estrada. Um está morto, outro tem uma bala alojada em seu corpo, dois estão presos e outros cinco estão em julgamento e vivendo com medo.

Ele ainda teve tempo de ir para casa almoçar ao meio-dia. Ele pôde fazer uma pausa com Cristina e a criança. A rotina calma do pescador Carlos Maaz já tinha sido interrompida há duas semanas, quando uma mancha vermelha apareceu no lago e ele decidiu juntar-se aos protestos do sindicato dos pescadores.

Carlos Maaz não teve tempo para gritar. Nem uma exalação, nem um gemido. A bala estava alojada em seu coração. O pescador desmoronou e ficou no pavimento, enquanto que outras balas assobiavam entre os pescadores que tinham decidido bloquear a estrada que leva de El Estor à Companhia Guatemalteca de Níquel (CGN), localizada a sete quilômetros do parque central da cidade – ou 15 minutos de carro e, como El Estor, na margem do lago Izabal.

Foto: AEPDI.

Todos correm, gritam, as bombas de gás lacrimogêneo ressoam. As pedras saltam de um lado para o outro. Enquanto isso, o corpo de Carlos Maaz está congelado, sem vida, no meio da cena dantesca. É assim que fica registrado nas fotos de 27 de maio de 2017.

Há poucos retratos de Carlos Maaz em vida: a foto de sua identidade e outra desfocada com a família, que servirá para que Cristina, sua viúva, possa mostrá-lo aos jornalistas que aparecem, embora cada vez menos, para tentar desvendar uma história que tem sido emaranhada por décadas. Em vez disso, há dezenas de fotos de Carlos Maaz morto, deitado de costas, vestindo uma camisa polo branca cintilante com estrelas. Apenas é possível ver a mancha vermelha pálida, do tamanho de um cravo, em seu peito.

Durante cinquenta anos (desde 1971) tem sido também o “estore” da empresa de mineração de níquel que opera ao lado do maior lago da Guatemala

Pouco se falou sobre esta revolta em um município do departamento de Izabal com tumultos esporádicos. A cidade funcionou durante décadas como um porto lacustre com uma saída para o Atlântico onde estava localizada a única loja que abastecia as fazendas da região tropical, então conhecida como The Store. O vilarejo fundado em 1886 cresceu e tornou-se um município de 40.000 habitantes, que ainda é o centro de comércio das fazendas de monocultura da região – agora de palmeira-de-dendê, banana e gado. Durante cinquenta anos (desde 1971) tem sido também o “estore” da empresa de mineração de níquel que opera ao lado do maior lago da Guatemala, originalmente habitado pelo grupo étnico maia q’eqchi’ e agora habitado pelos q’eqchi’, mestiços e pelo menos 216 trabalhadores mineiros estrangeiros.  

Naquele sábado 27, por mais alguns minutos, todos continuaram com a coreografia de uma manifestação, de um bloqueio, de um contingente policial que dissolveu a revolta no ponto de golpes e gás e, possivelmente, de balas. Levou horas para que o corpo de Carlos Maaz fosse retirado. O Ministério Público, que deveria ter coletado provas, tirado fotografias, anotado os nomes de possíveis testemunhas e levado o corpo para Puerto Barrios, a capital do departamento, para exame forense, nunca chegou.  

Quase dois anos se passaram e poucos dizem algo sobre o caso de Carlos Maaz, o pescador de 27 anos que pescou toda sua vida, que em duas semanas se tornou um ativista, um ambientalista, um defensor do lago e um mártir. As testemunhas apontam o dedo à polícia e ao Estado, mas na Guatemala isso não é motivo de escândalo.

Os esquecidos dos esquecidos

Foto: AEPDI

O trabalho do pescador requer muita paciência. Carlos Maaz teve que ser paciente até morto.

Sete horas passaram, sob o sol, com aquele calor tropical em torno de 30 graus, até que souberam que o Ministério Público não chegaria para retirar o corpo e o levaram para casa. No dia seguinte eles o enterraram, e passaram sete meses antes que o Ministério Público retornasse para exumar o corpo, remover a bala e iniciar o trabalho forense no mesmo cemitério.

Quase dois anos após sua morte, não há resultados da investigação. Testemunhas entrevistadas, muitas delas parte do sindicato dos pescadores, mas também trabalhadores da Associação de Estor para o Desenvolvimento Integral (Aepdi), também conhecida como Defesa Q’eqchi’, dizem que as balas vieram da polícia que chegou, junto com a polícia de choque, para dispersar o bloqueio. Robin Sicaján, diretor executivo da Aepdi, fornece o álbum de fotos. Alguns policiais armados podem ser vistos. Mas não dá para ver nenhuma foto de nenhum deles disparando. Não há registro de nenhum manifestante armado.

Os pescadores estão convencidos de que a água foi manchada pela evacuação de material tóxico descartado do processo de extração de níquel

A imprensa não publica mais sobre a morte da Maaz. Com exceção da mídia digital Prensa Comunitária, que tem um de seus jornalistas, Carlos Choc, vinculado a um julgamento pelo mesmo caso. O debate sobre o que os pescadores saíram para protestar também é considerado encerrado: uma suspeita de contaminação. Os pescadores estão convencidos de que a água foi manchada pela evacuação de material tóxico descartado do processo de extração de níquel, a mina assegura que é terra arrastada pelo rio Polochic durante a estação do inverno, e o Ministério do Meio Ambiente encerrou o caso dando a mesma resposta que a mina.

Francisco Vivar, o advogado responsável e membro do Escritório de Direitos Humanos que assume casos de violação dos direitos humanos, fala pouco sobre o caso de Carlos Maaz. Na entrevista para este relatório, ele centra suas respostas nos dois pescadores presos e nos cinco que estão em liberdade condicional.

Ele diz estar confiante de que o Ministério Público e o Instituto Nacional de Ciências Forenses (Inacif) estão fazendo seu trabalho. Ele esquiva quando questionado sobre a demora na resolução de um caso, na investigação, para encontrar os responsáveis pelos disparos contra Maaz e Alfredo Maquín e levá-los a julgamento. Ele não quer dificultar um caso aberto, diz o membro do escritório de advocacia que tratou de casos tão importantes como o julgamento por genocídio  contra o ex-presidente Efraín Ríos Montt ou o julgamento contra alguns soldados acusados de escravidão e exploração sexual das mulheres de Sepur Zarco.

“O que aconteceu é que a população não permitiu que o Ministério Público realizasse seu trabalho; entretanto, é compreensível por causa de seu contexto social e cultural”

Julia Barrera.

Sonia Montes, a promotora responsável pelo caso no Ministério Público (MP), demora muito tempo para responder a uma entrevista. Primeiro ela estava de férias, depois transferiu as perguntas para outra promotora, e finalmente sugeriu que o processo fosse feito através do escritório de comunicações. Na única conversa telefônica com a promotora Montes, ela explicou que se o Ministério Público não chegou para pegar o corpo de Carlos Maaz em 27 de maio, foi porque eles avaliaram o risco e consideraram que seria contraproducente para o Ministério Público aparecer no município, devido ao fato de que a população estava em alvoroço. “O que aconteceu é que a população não permitiu que o Ministério Público realizasse seu trabalho; entretanto, é compreensível por causa de seu contexto social e cultural”, explica Julia Barrera do Ministério Público e acrescenta que os casos estão sendo investigados e não podem dar informações relacionadas a eles.

A Polícia Nacional Civil e o Ministério do Interior negam informações relacionadas com o caso. Quando o pedido de informações públicas foi feito, eles negaram o pedido das atas e relatórios do caso: “Não é possível fornecer as informações solicitadas… já que o relatório policial contém os nomes dos policiais e esta instituição policial está isenta da obrigação de publicar os nomes dos policiais… pelo decreto 11-97 da Lei da Polícia Civil Nacional, todas as informações que a instituição arrecada no desempenho de suas funções devem ser mantidas sob rigoroso sigilo profissional”, diz a resposta ao pedido. Foi solicitada uma entrevista com o diretor da polícia e foram solicitadas informações institucionais do escritório de imprensa, mas nenhuma resposta foi dada.

Em outras palavras, pouco se sabe sobre a situação da investigação e a data de um eventual julgamento.

Cristina Xol Pop, a viúva de Carlos Maaz, fala sobre o abandono em que se encontra. Sua língua materna é q’eqchi’ e ela pede desculpas pelas dificuldades da língua, fazendo uma pausa, procurando cuidadosamente as palavras.

Cristina Xol Pop. Foto: Agencia Ocote

“Quando meu marido foi morto, continuamos denunciando o fato de que Carlos Maaz morreu por causa da empresa. Então, os empresários sempre nos perseguem em seus carros, em um carro eles nos perseguem… Isso me assusta“, diz Cristina, 24 anos, que não sai mais na estrada para vender as empanadas e tostadas que ela mesma costumava fazer. “Eu parei de vender por medo, porque talvez eu esteja sentada lá, talvez eles atirem em mim, é o que eu penso”.

Eles pouco esperam de outros, nunca receberam nada do Estado, as organizações chegaram e nunca mais voltaram.

Cristina se mudou da casa de seus sogros para uma casa feita com paus, como a de muitas pessoas em El Estor, do outro lado da rua moram seus pais. Eles são os que agora ajudam a sustentá-la e a seu filho de 10 anos. Eles não sabem o que vai acontecer com a investigação e o julgamento. A distância, com poucos recursos, é quase impossível ligar para acompanhar o caso, muito menos incorrer nos custos da viagem de sete horas até a capital da Cidade da Guatemala. Eles pouco esperam de outros, nunca receberam nada do Estado, as organizações chegaram e nunca mais voltaram.

“Sim, eles estão me ajudando, os advogados, porque a exumação já aconteceu e agora sabemos que foi a polícia” diz Cristina.

A gota vermelha

Foto: Agencia Ocote

Um romance de Stephen King poderia ser escrito sobre El Estor: a história de um povo esquecido, onde todos os personagens desconfiam uns dos outros, olham por cima dos ombros uns dos outros e fazem mexericos e fofocas. Um romance onde os grandes capítulos a serem lembrados são marcados pela violência. Um território tropical que parece ser construído sobre pólvora, onde um fósforo é suficiente para uma explosão que desaparecerá como se nada tivesse acontecido, apenas a tensão subterrânea permanece. Há uma cronologia de mortes – assassinatos – relacionada por suas denúncias ou pelas manifestações que terminaram em desalojamentos brutais.

Uma corporação transnacional opera no bairro de uma cidade cujas condições de vida pouco melhoraram em décadas. Desde antes de iniciar suas operações em maio de 1971, a empresa Explotaciones y Exploraciones Mineras de Izabal (Exmibal), que mais tarde se tornou a Companhia Guatemalteca de Níquel (CGN), moradores e líderes confrontaram e se opuseram à presença da mina, denunciaram a contaminação e condições de trabalho inseguras (que a mina nega, alegando que são regidas pelas normas da Corporação Financeira Internacional), condições de trabalho inseguras (o que a mina nega, assegurando que ela cumpra as normas da Corporação Financeira Internacional – IFC-) e, também, um baixo número de empregos para os locais (o que a mina explica preenchendo as quotas exigidas pela IFC. Através de seu escritório de imprensa, explica que 51% dos trabalhadores são de El Estor e que o fato de não contratar mais pessoal local se deve à baixa escolaridade e ao pouco treinamento especializado dos locais). 

Dois anos após a manifestação dos pescadores, a calma aparente voltou. As manifestações que acontecem na estrada ou no parque são novamente para exigir trabalho na mina. Em El Estor as mortes, os crimes, as queixas logo se afundam como uma pedra no fundo da água.

As manifestações e a violência são registradas nos relatórios das organizações de direitos humanos, tais como o despejo do bairro La Unión, onde os habitantes exigiam o reconhecimento da propriedade de suas terras originais que estavam no território concedido à Companhia Guatemalteca de Níquel (385 quilômetros quadrados no total) e onde Gustavo Ich foi assassinado.

os métodos de auditoria e monitoramento da mina não foram definidos, não foi estabelecido o que aconteceria com a posse das terras daqueles que já viviam nos territórios, e não foram estabelecidas regras sobre o impacto ambiental.

Comisión de Esclarecimiento Histórico (CEH).

A Comissão de Esclarecimento Histórico (CEH), que foi estabelecida após os 36 anos da guerra civil guatemalteca, deixa um registro de um obscuro processo de concessão: os métodos de auditoria e monitoramento da mina não foram definidos, não foi estabelecido o que aconteceria com a posse das terras daqueles que já viviam nos territórios, e não foram estabelecidas regras sobre o impacto ambiental.

Há pelo menos uma morte relacionada à concessão: o congressista Adolfo Mijangos, que foi assassinado em 1971 e que se opôs publicamente à instalação da mina. Após a morte de Mijangos, o político e intelectual Alfonso Bauer Paiz foi forçado ao exílio, criticando um precário marco regulatório e um debate com pouca clareza sobre o impacto ambiental e social que a mina poderia causar além dos pobres benefícios para o Estado ou os vizinhos de El Estor.

Em 2007, onze mulheres foram estupradas na comunidade vizinha Lote Ocho, razão pela qual foi iniciado um processo judicial no Canadá contra a Hudbay Minerals, a empresa que na época era proprietária da Companhia Guatemalteca de Níquel e tinha comprado a operação de mineração da Exmibal. As mulheres acusaram os guardas de segurança contratados pela mina. Uma investigação nunca foi iniciada na Guatemala e foram organizações canadenses que impulsionaram o julgamento no exterior, argumentando que o Estado guatemalteco não era capaz de investigar e fazer justiça.

Foto: Agencia Ocote

A morte misteriosa de três estudantes universitários que, em 2012, contavam crocodilos na área pantanosa da mina registrada como área natural protegida, também está sendo vivenciada pelos moradores de El Estor como uma novela que lhes é estranha. Um julgamento está sendo realizado nos últimos meses para esclarecer o crime, no qual um técnico da empresa CGN é acusado. Está ocorrendo no mesmo tribunal em Puerto Barrios, a capital do departamento de Izabal, onde o caso do sindicato dos pescadores artesanais está sendo ouvido.

Agora, após a marcha contra a poluição do lago dois anos atrás, os pescadores Cristóbal Pop e Eduardo Bin Poou estão na prisão.

O preço de não ficar calado

Após as manifestações e bloqueios em que Carlos Maaz morreu, o presidente e vice-presidente do sindicato foram acusados de ameaças, instigação para cometer um crime, retenção ilegal, danos e associação ilícita.

“A empresa apresentou a queixa e solicitou os mandados de prisão. A prefeitura, no contexto, é complacente com a empresa”

Francisco Vivar.

As acusações vêm da mina, de acordo com seu advogado Vivar, embora tenha tentado se dissociar do caso. “A empresa apresentou a queixa e solicitou os mandados de prisão. A prefeitura, no contexto, é complacente com a empresa e o prefeito, em retaliação ao incêndio em sua casa – do qual o sindicato afirma ser inocente – acusa os líderes”, explica Vivar. A defesa procura provar a inocência dos acusados e expor uma perseguição que procura silenciar os motivos da manifestação pela qual eles estão presos. No mesmo dia da manifestação, à tarde, uma multidão ateou fogo na casa do prefeito e na delegacia de polícia. As autoridades procuram responsabilizar os pescadores, enquanto as testemunhas, as que acompanham o caso e a equipe de defesa de dos q’eqchi afirmam que foi outro grupo de moradores que se aproveitou da confusão para causar o caos.

O sindicato começou a se organizar em maio de 2017, quando os pescadores viram o lago vermelho e iniciaram uma série de reclamações: ao Ministério do Meio Ambiente, ao Ministério de Energia e Minas, ao Governo Departamental, à Prefeitura e ao Ministério da Saúde. A imprensa local registra a tentativa de fazer ouvir suas vozes perante o Estado. No entanto, não receberam nenhuma resposta. Diante do hermetismo das autoridades, eles decidiram bloquear a estrada que leva à mina. Ficaram assim por 14 dias até receberem a notícia: sim, eles seriam escutados, sim, e haveria uma conversa com eles.

Há um registro de uma reunião no palácio municipal de El Estor naquele mesmo mês. O prefeito falhou em logística e esqueceu-se de algumas cadeiras. O Ministro do Meio Ambiente e outros funcionários chegaram duas horas atrasados, dizem pescadores e testemunhas.  Para os pescadores entrevistados, a Defensoria Q’eqchí’, e os membros da família que nunca deixam de mencionar estes detalhes, parecia não um excesso de etiqueta, mas um símbolo de algo maior: que eles não eram levados a sério.

o ministro, brincando, ofereceu a cada um deles algumas galinhas, para distorcer as queixas de contaminação e, segundo ele, para tentar suborná-los.

Um pescador, que agora está escondido por causa de um processo judicial aberto no qual é acusados junto com outros de ameaças e instigação para cometer um crime, diz que o ministro, brincando, ofereceu a cada um deles algumas galinhas, para distorcer as queixas de contaminação e, segundo ele, para tentar suborná-los.

Dessa reunião eles partiram com o compromisso de que os pescadores cancelariam o bloqueio da estrada, que o Ministério realizaria as investigações necessárias e que se reuniriam novamente em 27 de maio de 2017.

Mas essa reunião nunca aconteceu: os pescadores dizem que o Ministério do Meio Ambiente avisou a reunião à meia-noite do dia 26 e marcou ou encontro em Puerto Barrios, impossibilitando sua chegada a tempo; e o Ministério diz que eles não chegaram. Em 27 de maio, os pescadores bloquearam novamente a estrada e o Ministério do Interior enviou um contingente de policiais e policiais de choque de várias partes do país. A reação rápida gera suspeita entre os membros do sindicato, que pensam que tudo já estava planejado.

(Tentamos perguntar ao Ministério quantas pessoas eles enviaram, mas eles se recusaram a responder quantos oficiais foram enviados).

Eu não tenho medo da mina, não tenho medo da polícia.

A bala que matou Carlos Maaz não foi a única disparada na estrada naquele dia. Os moradores coletaram várias cápsulas, que eles afirmam ter entregado ao Ministério Público.

Foto: AEPDI.

Uma das balas disparadas ficou em El Estor, alojada no corpo do pescador Alfredo Maquín.

O Maquín vive em permanente desconforto, em constante dor. Essa raiva, esse desconforto contrasta com a delicadeza com que ele lixa o remo que tem a seus pés. Maquín faz remos porque não pode mais ir pescar. Ele não pesca, ele faz remos e tem uma bala no rabo. Ele está zangado e abandonado.

Ele passa horas na rede, ruminando sobre quanto dinheiro precisa para comprar analgésicos, quanto para comprar comida para sua família e remédios, para sua filhinha que quebrou o braço caindo da cama e para sua esposa faminta com uma tosse desagradável.

Alfredo Maquín também está cansado de dar entrevistas. Ninguém o menciona, diz ele, seu nome nunca aparece, nunca é mencionado que naquele 27 de maio, além de um pescador morto, havia outro pescador que pensa constantemente que talvez tivesse sido melhor morrer. Ele o diz sem vergonha, diante de sua esposa e filhos: “Teria sido melhor morrer”.

Alfredo Maquín.

Seus colegas do sindicato – os que vivem fugindo, porque ainda enfrentam um processo judicial – não o mencionam, e Vivar, o advogado da firma de defesa, mal dá detalhes de como o caso está indo. Sim, levou tempo, mas todos os casos levam tempo e este é mais um.

Não há respostas para o caso do Maquín

Ninguém foi capaz de fazer nada para remover a bala de seu quadril? O Instituto Nacional de Ciências Forenses não precisa de provas do crime? Será que isso aliviaria sua dor, fariam uma reconstrução? Será que ele poderia voltar a pescar e parar de polir, lindamente mas com raiva, seus remos? Não há respostas para o caso do Maquín. Sonia Montes do Ministério Público não responde sobre o caso e o advogado Vivar prefere dar aos investigadores tempo e o benefício da dúvida.

Alfredo Maquín não acredita mais em nada. Ele era apenas um pescador que ia pescar todas as manhãs e isso lhe permitia trazer comida para sua família e dar-lhes remédios quando adoecessem. Mas ele decidiu sair para a rua para jogar pedras para reclamar da mina, do lago vermelho, e agora ele está prostrado em uma rede.

“Eu joguei pedras”, admite ele. Ele quase treme quando fala da mulher policial que gritou “Matem-nos, matem-nos, matem-nos! Ninguém sabe dela. A polícia está em silêncio, enquanto a mina explica as autoridades foram os responsáveis por algo que nunca esteve em suas mãos. Maquín não tem dúvidas de que a bala que matou Carlos Maaz e a bala incrustada em seu corpo pertencem à polícia.

Parece que Alfredo Maquín não tem mais medo de nada. Ele protesta contra a mídia, que só perde seu tempo para fazê-lo contar a história que eles nunca publicam. Ele protesta contra as organizações não governamentais que o visitam e lhe oferecem ajuda, mas nunca mais voltam. E ele protesta contra a mina que veio bater em suas portas, apesar do pacto que fizeram no sindicato dos pescadores. Ele lhes pediu trabalho: eles não lhe deram nenhum. Ele lhes pediu que tirassem a bala no hospital que eles têm para os funcionários: eles recusaram.

“Não tenho medo da mina. Eu não tenho medo da polícia. Eu tenho medo da pobreza”.

Alfredo Maquín.

Há Alfredo Maquín, exilado em sua própria casa feita de paus, ao lado de sua esposa, que aperta e dobra e desdobra as prescrições de remédios com suas mãos ossudas. Os seus filhos brincam no chão sujo, rindo, mas também ouvindo que seu pai preferia ter morrido.

“Você tem medo da mina, você tem medo da polícia?”, perguntei ao Maquín.

“Não tenho medo da mina. Eu não tenho medo da polícia. Eu tenho medo da pobreza”, diz o pescador.

Os escondidos

“Nós não éramos assim”, diz Eduardo Bin naquela reunião, em maio de 2017, na prefeitura; antes de ser preso, “minhas pernas estavam tremendo quando cheguei a El Estor”, conta Bin a anedota para explicar o que um funcionário lhe disse sobre o caráter dos moradores de El Estor.

“Não vamos pedir trabalho a uma empresa que está prejudicando a todos nós”.

Eduardo Bin.

“Nós não éramos assim”, diz ele, “nossa gente não era violenta, não era como hoje, por que você acha que nosso povo se tornou violento? Porque essas pessoas que administram a empresa, quando fazem um bloqueio… eles os subornam e a coisa morreu. E o problema continua o mesmo, pois eles se acostumaram a um grupo após o outro e por isso tem havido tantos bloqueios, porque a própria empresa os causou. Nós somos uma organização diferente do que a empresa pensava, eles pensavam que queríamos dinheiro ou trabalho. Não vamos pedir trabalho a uma empresa que está prejudicando a todos nós”.

Eles não pretendem ficar calados, mas agora estão calados. Eduardo Bin e Cristóbal Pop foram presos e outras cinco pessoas estão com mandado de  prisão.

Apesar de seu medo e desconfiança, apesar do fato de que seus advogados na firma de direitos humanos recomendaram que não se reunissem e não fossem a lugares públicos para que não fossem implicados em nenhum crime, eles concordam em se reunir em uma pequena casa, na margem do lago, longe de todos. Seis pessoas do sindicato estão no corredor; duas delas têm mandados de prisão pelos mesmos crimes pelos quais Pop e Bin estão presos.

Eles comentam que deram dezenas de entrevistas e não receberam nada em troca. Que ainda ontem eles ficaram esperando um jornalista espanhol, que há poucos meses eles levaram alguns jornalistas franceses de barco e não lhes deram nem dinheiro para gasolina. Que eles dão seu tempo e que absolutamente nada acontece. Algo tem sido dito sobre os dois pescadores presos e os outros membros perseguidos do sindicato. A Prensa Comunitária, que cobre consistentemente o julgamento e as audiências de seus líderes, presos em Puerto Barrios, e onde é muito difícil para eles irem porque não têm dinheiro suficiente para o bilhete. E os jornalistas estrangeiros chegam. E os pescadores não sabem se publicaram.  Eles pensam que não o fizeram, porque nada acontece.

“O que queremos é que tudo o que está acontecendo aqui seja conhecido a nível internacional. Os companheiros estão injustamente presos por defenderem o meio ambiente, o morro, a água”, diz um dos membros do sindicato. Eles não querem ser identificados.

Vivar está convencido de que existe uma clara violação dos direitos à liberdade de expressão e do direito à informação

“Parte do que a criminalização, a perseguição judicial, busca é envolver a pessoa em um processo criminal. Quando um mandado de prisão é emitido, a pessoa tem de passar ao anonimato, a pessoa tem que se esconder, você restringe os direitos da pessoa, você a priva de suas relações familiares e de trabalho, mas acima de tudo você a priva do direito de falar, de se opor, e isso envia uma mensagem que diz ‘isso também vai acontecer com você'”, explicou o advogado Vivar na entrevista na Cidade da Guatemala. Vivar está convencido de que existe uma clara violação dos direitos à liberdade de expressão e do direito à informação – no caso de Carlos Choc, um jornalista que também é acusado juntamente com outros jornalistas. “A pessoa ou tem que estar escondida ou em fuga”, diz Vivar.

De fato, a diretoria do sindicato agora dá entrevistas em lugares remotos, exige anonimato e não pode se reunir em locais públicos, mas eles estão interessados em ter suas acusações contra a mina publicadas. Eles alegam que duas investigações mostraram que a mina era poluente, mas não têm os documentos para provar isso. Os líderes que estão na cadeia os têm, dizem eles.  Tentamos buscar as investigações que os pescadores citam, mas foi impossível obtê-las.

Até o momento, não há nenhuma investigação definitiva para determinar o que aconteceu no lago em maio de 2017. “O Ministério do Meio Ambiente deve ver se tudo é legítimo, se tudo está em ordem, será que é o gerente da empresa?” dizem que o Ministério e a própria Presidência de são complacente com a empresa de mineração.

Foto: AEPDI.

Agora, enquanto esperam o julgamento e esperam que os sete acusados sejam considerados inocentes e que os dois prisioneiros sejam libertados, eles asseguram que a contaminação continua. Que eles, assim como viram o lago ficar vermelho, continuam vendo a poluição.

“Nós vamos pescar de manhã cedo,  tomara que você visse o pó que sai da chaminé! Eu pesco lá na frente da empresa, você pode ver que assim como a neve cai, shhhh, é assim que a poeira cai na água e como as pessoas estão dormindo elas não notam, mas nós pescadores não dormimos. Nós observamos tudo”, dizem eles.

Eles continuam pescando e observando, mas, por enquanto, estão proibidos de falar e de se manifestar. Os pescadores voltaram para as jangadas.

Tierra de Resistentes

Base de datos de Tierra de Resistentes

Lo que dicen los datos sobre los ataques a los resistentes

Análisis de la base de datos de líderes del medio ambiente perseguidos y asesinados en Latinoamérica.

Metodología

La base de datos de Tierra de Resistentes busca dimensionar el universo de líderes y comunidades que ha sufrido episodios de violencia. Más que nombres, cada registro documenta una historia y una realidad.

Más reportajes:

Guaviare: proteger a floresta com vida

Desde la firma de los Acuerdos de Paz con la antigua guerrilla de las Farc, Felipe Henao se ha dedicado a dirigir un proyecto de comunicación y educación ambiental en el tercer departamento más deforestado del país: Guaviare. Por ejercer este liderazgo, su vida peligra.

A defesa da água está custando a vida aos camponeses do Putumayo

Un recorrido por el municipio de Puerto Asís, en el Bajo Putumayo de Colombia, revela el drama diario que afrontan sus pobladores. Amenazas de muerte que se convierten en realidad y comunidades sin agua por causa de la contaminación.

Perigo na fronteira: os indígenas ticuna defendem a floresta das garras dos narcotraficantes

Los indígenas tikuna se han propuesto cuidar sus bosques en una zona de Perú donde los cultivos ilícitos le han declarado la guerra a la conservación. Equipados con celulares, GPS y mapas se enfrentan a taladores y narcotraficantes y estos responden amenazándolos de muerte. Estos hombres y mujeres, los olvidados de la frontera, ruegan que por una vez el Estado los escuche.

O povo zenú, cercado pelo desenvolvimento da mineração

Para los zenúes del Alto San Jorge la tierra que habitan está tan enferma como ellos. Con la operación minero-energética en su territorio ancestral sufren por la contaminación de fuentes hídricas, la desaparición de especies nativas y el acaparamiento de predios. Los indígenas luchan contra Cerro Matoso, la mina de níquel a cielo abierto. En medio de las tensiones de los violentos, que también ocupan la región, resisten.