O Tipnis e o Madidi, as feridas que sangram no rosto indígena da Bolívia

O rosto indígena da Bolívia está ferido. Cada vez que acontecem ameaças e ataques contra seus povos nativos, sangra mais e mais. As áreas naturais de Tipnis e Madidi, ambas na Amazônia boliviana, são o cenário que destaca os maus tratos a estas comunidades, apesar de o país ser governado desde há 13 anos pelo indígena Evo Morales.

A Terra Indígena e Parque Nacional Isiboro-Secure  (mais conhecido por suas iniciais Tipnis) está localizada entre os departamentos de Cochabamba e Beni. Seus habitantes têm sido os protagonistas das marchas para a sede do governo e vivem em emergência por causa do desejo do governo de construir uma estrada que dividirá em duas partes a área protegida onde vivem há cinco décadas.

Mais ao norte, no Parque Nacional e Área Natural de Gestão Integrada Madidi, localizado na parte amazônica do departamento de La Paz, no noroeste do país, os moradores se opuseram à construção de duas hidrelétricas, uma odisseia que trouxe consequências negativas para suas famílias e vilarejos. 

Em ambos os casos, dezenas de líderes têm sido ameaçados, perseguidos e assediados. Com espancamentos e avisos pouco disfarçados para suas famílias de que perderão seus empregos, todos sofrem as consequências da defesa dos direitos e territórios de suas comunidades indígenas.

Foto: Alejandro Lopez.

Uma estrada no meio da selva

O Tipnis é um território fantástico cheio de biodiversidade. Cobre 13.722 quilômetros quadrados e 63 comunidades, cada liderada por um corregedor ou autoridade indígena máxima. Ao sul, sofre com o desmatamento devido à incursão dos produtores de coca dos trópicos de Cochabamba, o berço político de Evo Morales, razão pela qual sua liderança está alinhada com o partido do governo, o Movimento ao Socialismo (MAS).

Esta luta já dura oito anos e deixou um rastro de sofrimento.

No centro do Tipnis e em parte do norte, a liderança pró-MAS foi consolidada, mas ainda há comunidades que mantêm sua resistência e oposição à estrada. Esta luta já dura oito anos e deixou um rastro de sofrimento. Um dos episódios mais dolorosos ocorreu durante a Oitava Marcha Indígena até a sede do governo, quando mais de 100 indígenas foram brutalmente reprimidos e amordaçados pelas forças policiais em uma área conhecida como Chaparina, entre Beni e La Paz. 

Fernando Vargas Mosua foi o líder dessa marcha. Ele baixa seu olhar quando perguntado sobre aquele dia de 25 de setembro de 2011. Ele diz que dói lembrar. Hoje, este líder indígena não tem emprego, ele diz que é rejeitado porque há pressão do governo. Além disso, sofreu o sequestro de uma de suas filhas e teve que deixar o lugar onde morava.

“Acho que a luta não foi em vão, mas agora não sabemos o que vai acontecer”

Fernando Vargas Mosua.

Seus dias são difíceis, mas ele não desiste. “Acho que a luta não foi em vão, mas agora não sabemos o que vai acontecer”, diz ele com uma pitada de amargura e esperança em sua voz. Ele vive em Trinidad, a capital de Beni, em um modesto quarto cujas paredes improvisadas são feitas de chapas de zinco. No interior, há três camas e uma pequena cozinha. A casa pertence a seu irmão, que teve que acolhê-lo e protegê-lo das ameaças e assédios que ele sofre.

Foto: Alejandro López.

A defesa do Tipnis remonta a 1990. Os povos indígenas das terras baixas bolivianas iniciaram a primeira mobilização indígena chamada Marcha pelo Território e a Dignidade. Este protesto, que começou em Trinidad e depois de um mês de caminhada terminou em La Paz, significou um marco histórico porque conseguiu o reconhecimento estatal, que oficializou a existência dos primeiros territórios indígenas na Amazônia boliviana.

Marcial Fabricano Noe, um líder indígena veterano que nasceu em Tipnis, foi um dos líderes da marcha. Agora, 29 anos depois de liderar a coluna de nativos da Amazônia e conseguir a denominação de Terra Comunitária de Origem (TCO) para o Tipnis (título que protege a reserva ecológica e seus usos e costumes indígenas), ele reflete sobre a situação do que ele chama de sua “casa grande”.

em governos que não tinham o rótulo de indígenas, como o atual de Evo Morales, os indígenas eram mais ouvidos e respeitados.

Marcial Fabricano Noe.

Sua conclusão é contundente: em governos que não tinham o rótulo de indígenas, como o atual de Evo Morales, os indígenas eram mais ouvidos e respeitados.

“O atual governo tem dificultado todo o progresso que temos feito para ter nosso próprio espaço e igualdade de direitos como cidadãos bolivianos”, salienta.

Foto: Alejandro López.

O líder agora sofre uma série de ameaças. Ele não consegue arrumar emprego, foi perseguido pelas autoridades do MAS em Beni e sua família recebeu avisos de pessoas anônimas. Mesmo assim, ele continua lutando por seu território. Em 2009, outros indígenas que apoiam o partido governista o detiveram e chicotearam, argumentando que foi uma medida corretiva no âmbito da justiça comunitária, que é garantida pela Constituição.

A repressão em Chaparina há oito anos foi a maior crise política dos 13 anos de Morales no poder. O aparato governamental teve que realizar uma campanha de mídia para contrariar o impacto na opinião pública da brutal intervenção policial que buscava dissolver a mobilização de cerca de 1.500 indígenas que, seguindo a mesma rota da histórica primeira marcha em 1990, caminhavam para La Paz para demonstrar sua rejeição à construção da estrada que dividiria seu território ancestral em duas partes.

em agosto de 2017, o Presidente Morales promulgou outra lei, a Lei 266, que eliminou a condição de intangibilidade e reabriu a porta para a estrada.

Essa marcha levou à aprovação da Lei 180, que declarou o Tipnis intangível e impediu, pelo menos temporariamente, a construção da estrada através do coração do parque natural. Entretanto, em agosto de 2017, o Presidente Morales promulgou outra lei, a Lei 266, que eliminou a condição de intangibilidade e reabriu a porta para a estrada.

Por enquanto, no entanto, o projeto está paralisado. A Administração Rodoviária Boliviana (ABC), que depende do Ministério de Obras Públicas, diz não ter intenção de continuar com sua construção, que ainda tem um de seus trechos pendentes. “Por enquanto, estamos no estágio zero, ainda não começamos a construir nada. Essa é a situação real”, disse seu presidente Luis Sanchez.

Em qualquer caso, dois trechos estão quase prontos. No primeiro estão as bases de cultivo de coca de Evo Morales, onde os estranhos que entram são rigorosamente vigiados. No terceiro trecho, operava a construtora brasileira OAS.

Foto: Alejandro López.

O Ministério do Meio Ambiente e Águas descartou os planos de perseguição contra os líderes do Tipnis. O Ministro Carlos Ortuño diz que, pelo contrário, existem planos de desenvolvimento para os habitantes da reserva natural. “Não há perseguição de nenhum tipo. O governo está trabalhando para que em Tipnis haja progresso”, disse ele após ser contatado pelo El Deber.

Ortuño cita, por exemplo, que no parque existem projetos para centros de processamento de cacau, curtumes comunitários para o manejo de couro de lagarto no âmbito do Programa Nacional de Lagartos, e carpintaria, acrescentando que o fornecimento de água potável é uma prioridade.

A comunidade contra a estrada

Trinidacito é a comunidade de Tipnis que mais resiste ao governo Morales. Nesta comunidade, ao norte da área protegida, a atenção do Estado não chega a eles e os habitantes vivem em condições muito precárias e em meio à pobreza.

Sua luta para impedir a construção da estrada custou-lhes muito caro. Eles não têm conexões de água potável, eletricidade ou telecomunicações. A educação só atinge o nível primário, quando há um professor. Os cuidados da saúde são inexistentes. Não há médicos ou remédios. As casas são rústicas e o único acesso à área é a pé e de avião, a um custo de 600 dólares, o que é quase impossível de pagar para os moradores. Para se locomover, eles têm que caminhar por dias para fazer negócios em outras cidades. Na estação chuvosa, os rios Isiboro e Sécure tornam-se seu principal meio de conexão.

Marquesa Teco é uma líder da Sub-Central de Mulheres de Tipnis. Ela lamenta que em Trinidacito não haja presença do Estado, simplesmente porque seus habitantes exigem a preservação de seu território. Ela sofreu ataques em Trinidad, onde teve que se mudar porque seus filhos não podiam ter acesso à educação em solo indígena. Sua família também é vítima de ameaças. Teco é vista como uma adversária política, razão pela qual ninguém quer empregar ela ou seus entes queridos.

“Meu marido partiu após o gás lacrimogêneo e a repressão. As crianças sofreram muito e houve abortos espontâneos por causa da gaseificação. Amarraram as mãos de meu marido e o enviaram em um carro sem saber para onde ele ia. Até hoje não há ninguém para culpar”, reprova Teco.

Foto: Alejandro López.

Estas versões têm sua contraparte. Ramona Moye Camaconi é uma congressista eleita pelo partido de Evo. Ela é uma mulher indígena que vem de Tipnis e rejeita as posições de seus detratores. Como legisladora, ela diz que luta pelo progresso de sua região e nega que os líderes sofram qualquer tipo de perseguição por parte do governo. Moye é clara sobre sua posição e aplaude que a intangibilidade de Tipnis tenha sido eliminada, através da lei aprovada em 2017.

“Os habitantes de certas comunidades que vivem neste território tiveram acesso a moradia, saúde, telecentros, centros esportivos e projetos para unidades educacionais. Agora a questão da estrada está pendente, o que também é um pedido do povo. Não há perseguição de qualquer tipo. Além disso, os líderes que se opuseram à estrada estão agora falando com a mídia e alguns estão coordenando com organizações não governamentais”, disse ela.

O problema de Tipnis, que é o lar dos povos indígenas yuracaré, tchimán e mojo trinitarios, também tocou outros líderes como Benigno Noza, Félix Cayuba, Roberto Noza, Carmen Guasebe e Catalina Moy, que denunciam ameaças por se oporem à estrada.

Para Pablo Solón, que foi embaixador de Evo nas Nações Unidas e se afastou de seu governo por causa da repressão policial sofrida pelos indígenas que defendiam Tipnis, é necessário entender a história da região para enfrentar seus problemas.

Duas décadas após a primeira marcha, explica, o governo Morales concedeu ao povo indígena de Tipnis o título coletivo a seu território, mas apenas por 1.091.656 hectares. Pouco antes, em 2009, os cultivadores de coca tinham entrado no parque nacional e território indígena, ocupando o que hoje é conhecido como Polígono 7, uma área onde os forasteiros estão proibidos de entrar sem autorização desses colonizadores cujas organizações sociais são filiadas ao partido MAS.

Soma-se a isso a imensa riqueza natural do parque que, segundo Solón, abriga 858 espécies de vertebrados, incluindo 470 aves, 108 mamíferos, 39 répteis, 53 anfíbios e 188 peixes, além de cerca de 2.500 espécies vegetais não registradas. Esta biodiversidade é explicada pela grande variedade de ecossistemas em uma área que varia de florestas tropicais a 180 metros acima do nível do mar a altas montanhas acima de 3.000 metros, que também tem a maior precipitação pluviométrica da Bolívia.

“É um dos pulmões de oxigênio e uma das mais importantes bombas de água do país”, diz Sólon, lembrando que o naturalista francês Alcide D’Orbigny o proclamou “a mais bela floresta do mundo” após sua viagem entre 1830 e 1833

Ele não vê frutos para os povos indígenas da reserva natural e, em vez disso, acredita que só beneficiaria os colonizadores em uma área onde a maior parte da folha de coca é destinada ao tráfico de drogas.

Pablo Solón.

Sólon fala da estrada como a “estrada amaldiçoada”. Ele não vê frutos para os povos indígenas da reserva natural e, em vez disso, acredita que só beneficiaria os colonizadores em uma área onde a maior parte da folha de coca é destinada ao tráfico de drogas.

O líder tacana Adolfo Chávez, que se refugiou no Equador após declarar-se perseguido político pelo governo de Evo, compartilha um ditado popular de seu povo que, diz, se encaixa perfeitamente em sua relação com o governo: “quando o tigre come o cão, ele está perto de atacar seu próprio dono”.

Para ele, o tigre está comendo o dono de Tipnis. “Evo Morales é contra os líderes, homens e mulheres, da bacia amazônica, porque o que ele fez em Chaparina com as crianças, os jovens e idosos não é inesquecível”.

Tipnis, que os indígenas chamam de “a casa grande”, é agora uma palavra que evoca um espírito de resistência.

Foto: Alejandro López.

Barragens hidrelétricas no parque mais biodiverso do mundo

Eles veem isso como uma ameaça e destruição; o governo de Evo Morales, como uma prioridade para transformar a Bolívia no “coração energético da América do Sul”.

Domingo Ocampo, um indígena mosetén, faz parte “deles”, aqueles que estão resistindo à construção de duas grandes hidrelétricas em El Bala e Chepete.

Eles, aqueles que fazem parte dessa resistência, são mosetenes, chimanes, esse ejas, lecos, tacanas e uchupiamonas, povos indígenas milenares que viveram “desde sempre” em Madidi, uma área protegida considerada a mais biodiversa do mundo, e com a qual a Bolívia “orgulhou-se” no ano passado, após uma expedição de cientistas ter encontrado pelo menos 124 espécies de animais e plantas consideradas novas para a ciência.

“Se não o fizermos, o que deixaremos para nossos filhos e para os filhos de nossos filhos?”

Domingo Ocampo.

Ocampo acredita que defender Madidi  do avanço das hidrelétricas é uma questão de vida, mesmo que depois de dois anos e meio de luta isso tenha significado colocar sua própria vida em risco. “Se não o fizermos, o que deixaremos para nossos filhos e para os filhos de nossos filhos?”

Foto: Alejandro López.

A Mancomunidade de Comunidades dos rios Beni, Quiquibey e Tuichi, formada por 17 comunidades indígenas, teve que recorrer em 10 de novembro de 2016 a um método que já tinha funcionado quinze anos antes: o bloqueio do trecho do El Bala.

Mas como íamos bloquear o rio? “Nós colocamos arame nas margens do rio para que os barcos não pudessem passar”, diz este líder da comunidade Torewa, no noroeste do país.

As embarcações que bloquearam pertenciam a uma empresa subcontratada pela consultoria italiana Geodata, à qual foi adjudicado o contrato para os estudos de identificação para a construção das barragens hidrelétricas.

Foto: Alejandro López.

As barragens El Bala e Chepete são centrais no plano de Evo de exportar eletricidade para países vizinhos como Brasil e Argentina, para o qual se pretende atingir uma capacidade instalada de 10.000 megawatts (MW) em várias barragens hidrelétricas em todo o país. É por isso que Morales as declarou de interesse nacional em 2007 e, oito anos depois, anunciou um investimento de 7 milhões de dólares para torná-las uma realidade.

Atingir esse objetivo significaria multiplicar por cinco a capacidade hidroelétrica atual. A Fundação Solón, fundada pelo ex-diplomata Pablo Solón e especializada no estudo de barragens hidrelétricas, questiona: “As barragens não representariam sequer 2% da energia instalada na América do Sul, portanto a frase ‘Bolívia, coração energético da América do Sul’, com a qual o governo inaugurou seu terceiro mandato, é um slogan sem qualquer base na realidade”.

Como este objetivo do governo afeta os povos indígenas de Madidi?  Já que os projetos El Bala e Chepete inundariam pelo menos 771 km2 de seu território, eles sentem que o parque nacional mais biodiverso do mundo, bem como a área protegida vizinha da Reserva da Biosfera e Terra Comunitária de Origem Pilón Lajas, estão em perigo iminente de desaparecimento e deslocamento.

O problema é que os processos administrativos e de exploração começaram sem sequer levar em conta os povos ancestrais que ali vivem.

Domingo Ocampo.

O problema, diz Domingo, é que os processos administrativos e de exploração começaram sem sequer levar em conta os povos ancestrais que ali vivem. Isso significa que o mandato da Constituição foi violado, que garante, no artigo 30, o “direito à consulta prévia obrigatória, realizada pelo Estado, de boa fé e de acordo”, também consagrado na Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho das Nações Unidas, que a Bolívia assinou.

Além disso, no artigo 352, a Carta Magna da Bolívia afirma que “a exploração dos recursos naturais de um determinado território estará sujeita a um processo de consulta com a população afetada, convocado pelo Estado, que será livre, prévio e informado. A participação dos cidadãos no processo de gestão ambiental é garantida e a conservação dos ecossistemas será promovida, de acordo com a Constituição e a lei. Nas nações e povos indígenas originários camponeses, a consulta deve ocorrer de acordo com suas próprias regras e procedimentos”.

Pedir que a lei fosse respeitada coloca-os na vanguarda da oposição a um governo também liderado por um homem indígena. Este é o aspecto que mais os incomoda. 

Pedir que a lei fosse respeitada coloca-os na vanguarda da oposição a um governo também liderado por um homem indígena. Este é o aspecto que mais os incomoda. 

Alex Villca Limaco concorda, ele é um dos jovens líderes indígenas mais ativos que está para o que der ou vier em defesa de seu território. Ele foi um dos que encorajaram o quase septuagenário Domingo a não baixar sua guarda. Naquela época, Domingo estava cansado de lutar com Golias, de que seus próprios irmãos fossem “cooptados” em troca de obras. Da Comunidade Camponesa Torewa, da qual ele é secretário geral, foi criada uma organização paralela com colonos simpatizantes do partido político de Morales, que recebiam os títulos das terras, transformando os torewas originários em inquilinos em suas próprias terras. Domingo se cansou disso. Foi chamado de divisionista e diziam que ele se opunha ao progresso de seu povo. Domingo se cansou disso. Ele foi defenestrado nas redes sociais, entre outros métodos de dissuasão que, denunciam os líderes indígenas, são usados por pessoas próximas ao governo para dobrá-los. Domingo tinha se cansado disso. 

Estas pressões se intensificaram depois que, em novembro de 2016, bloquearam o estreito de El Bala por dez dias e forçaram a empresa que conduzia os estudos a se retirar.

Foto: Alejandro López.

Alex é da nação uchupiamona. Depois de trabalhar como guarda-parque em Madidi, formou-se em turismo na Universidade Maior de San Andrés, em La Paz, e fez uma pós-graduação na mesma área. Ele conhece o todo território que defende, bem como os custos socioambientais da construção de hidrelétricas.

As ameaças também vieram de diferentes maneiras. Uma delas, por causa de sua formação educacional. O ministro dos hidrocarbonetos, Luis Sánchez, negou sua identidade indígena “por ter estudado na universidade e ter um empreendimento de ecoturismo”, denuncia.

De fato, segundo os arquivos da imprensa, o ministro Sánchez declarou que “obviamente existem alguns porta-vozes, mas eles são porta-vozes das ONGs, porque no outro dia saiu uma pessoa do jornal Página 7 que disse não ao Bala, mas segundo comentários dos mesmos companheiros indígenas, ele era um dos que tinham uma empresa de turismo importante e é por isso que ele falava estas coisas e também que ele tinha um mestrado em uma universidade em La Paz. Portanto, ele não é mais indígena, ele já tem outra visão de obstruir os projetos”.

Os ataques não pararam. O jovem líder diz que os “porta-vozes” do governo também lhe enviaram ameaças, mesmo através de sua família, para parar seu ativismo, caso contrário, fechariam seu negócio. Essas ameaças não foram concretizadas, mas isso não aconteceu no nível digital. A criação de perfis falsos nas redes sociais e a deslegitimação é algo com que ela está constantemente lidando.

O mesmo aconteceu com outra de suas companheiras de luta, a indígena uchupiamona Ruth Alipaz.

Para ela, que também conseguiu se formar em administração de empresas na Universidade Particular de Santa Cruz (UPSA) e promove um projeto de observação de pássaros, os dardos começaram a cair desde abril de 2018, quando ela denunciou perante a plenária do Fórum Indígena da ONU que cerca de 51 comunidades indígenas e camponesas da Bolívia perderão suas terras ou serão afetadas se o governo Morales executar projetos hidrelétricos.

as mudanças e impactos ambientais das hidrelétricas podem ser irreversíveis.

O Atlas Socioambiental das Terras Baixas e Yungas da Bolívia, elaborado pela Fundação Amigos da Natureza (FAN), aponta que as mudanças e impactos ambientais das hidrelétricas podem ser irreversíveis. As áreas do rio abaixo das barragens a serem construídas diminuiriam drasticamente seus fluxos, a biodiversidade aquática diminuiria (quebrando o ciclo de reprodução), afetando os pântanos vizinhos e a pesca de subsistência dos povos nativos. Rio acima, as inundações tenderiam a ser mais frequentes, e causariam maior erosão e sedimentação. A soma desses impactos causaria migração e deslocamento de comunidades que dependem da flora e fauna da região. A isto se somaria à modificação do clima local e à perda de conectividade entre os rios de montanha e as planícies.

Foto: Alejandro López.

Segundo o ex-diplomata Pablo Solón, a barragem Chepete teria 677 quilômetros quadrados e a El Bala teria 94 quilômetros quadrados – uma área cinco vezes maior do que a área urbana da cidade de La Paz. No total, calcula Solón, 5.164 pessoas, na maioria indígenas e camponeses, teriam que ser realocadas.

“Não vamos construir algo que signifique perda, pelo amor de Deus, nunca faremos, nunca construiremos instalações que signifiquem perda para o estado boliviano”

Rafael Alarcón.

O Ministro da Energia, Rafael Alarcón, detalhou em maio de 2018 que o projeto Chepete, de acordo com o estudo de pré-viabilidade, era conveniente. O mesmo não aconteceu com El Bala, que tinha preços altos para o mercado na época. “Há uma dinâmica para isto. Portanto, estamos trabalhando com base na pré-viabilidade (…). Não vamos construir algo que signifique perda, pelo amor de Deus, nunca faremos, nunca construiremos instalações que signifiquem perda para o estado boliviano”, declarou.

Para o ministro, as versões dos detratores desses projetos são baseadas em documentos parciais e não no estudo final, cujo resultado ainda não é conhecido. Segundo um estudo da Fundação Solón em fevereiro de 2019, El Bala e Chepete já possuem a seguinte documentação: um estudo de identificação que define sua localização (realizado pela consultoria italiana Geodata), arquivos ambientais e um estudo de projeto técnico de pré-investimento que está sendo preparado.

O jornal El Deber solicitou uma entrevista com Alarcón para esta matéria, mas até o momento ele não tinha respondido ao pedido da imprensa.

El Deber também procurou o vice-ministro de interculturalidade, Rodolfo Machaca, mas quando ele foi envolvido em um escândalo por pagamento de pensões, recusou-se a responder ao pedido. Posteriormente ele se demitiu e esta pasta governamental continua, no momento da publicação desta matéria, sem alguém no cargo. Também foi solicitada uma entrevista com o chanceler Diego Pary, um indígena quéchua, mas as perguntas enviadas à área de comunicação do Ministério das Relações Exteriores sobre este caso e o caso Tipnis permanecem sem resposta.

Bolívia no ano 2025 “será um país que produz e transforma alimentos, que produz e exporta eletricidade, aproveitando ao máximo seu potencial hidrelétrico”.

Evo Morales.

No final de março, o presidente Evo Morales, no programa da televisão estatal O Povo é Notícia, falou de seu plano de governo para 2020-2025, apesar de sua reeleição estar sendo resistida e descrita como ilegal. A Bolívia no ano 2025 “será um país que produz e transforma alimentos, que produz e exporta eletricidade, aproveitando ao máximo seu potencial hidrelétrico”, disse.

A produção de energia faz parte de sua “Agenda do Bicentenário”. Ele prevê que até 2025 o país terá uma capacidade de produção de 6.000 megawatts de eletricidade. “Propus 9.000 megawatts e alguns ministros disseram que eu estava louco, mas agora estamos perto desse objetivo (…); se nos deixarem construir a El Bala e Chepete nós conseguiremos”, salientou.

Evo também se referiu a viver em harmonia com a natureza, o foco das preocupações de comunidades como as de Tipnis e Madidi. “É obrigação do Estado garantir o pleno acesso do povo boliviano a esses serviços em condições equitativas e em equilíbrio e harmonia com a Mãe Terra”, disse.

A resistência conseguiu para o projeto hidrelétrico, por enquanto. Mas há vozes que procuram continuá-lo, e é por isso – para os moradores de Madidi – a defesa não para. O povo resistente não quer mais sangue no rosto indígena da Bolívia.

Foto: Alejandro López.

***

Os indígenas de Tipnis se opõem à construção de uma estrada que iria atravessar seu território e, por causa dessa oposição, acusam o Estado de abandono e perseguição de seus líderes. Assim como os de Madidi, eles se sentem duplamente feridos ao lutar contra Golias porque é um “irmão indígena” que agora lidera o governo boliviano e não os escuta. Pelo contrário, ele os considera adversários.

Fernando Vargas Mosua

ELE SOFREU A REPRESSÃO POLICIAL E O SEQUESTRO DE SUA FILHA.

Naquele 25 de setembro de 2011, Fernando Vargas estava liderando a marcha indígena até La Paz para protestar contra a construção de uma estrada no meio do Tipnis. Era um domingo e, enquanto desancava,  sentiu golpes em seu corpo por parte dos policiais. Começou uma repressão contra pelo menos 150 indígenas que protegiam seu território. Eles o amarraram, bateram nele e depois o colocaram em um ônibus para um destino desconhecido, um destino semelhante ao de outros líderes. Eles o deixaram em uma comunidade próxima e ele escapou, junto com outros povos indígenas, para juntar-se à marcha.

Os tristes episódios continuaram após a marcha de 64 dias, que conseguiu paralisar o projeto rodoviário. Ele recebeu ameaças de morte, sofreu tentativas de atropelamento nas ruas de Trinidad, tentaram suborná-lo e, pior de tudo, uma de suas filhas foi sequestrada. Isso foi em 2015 e ele derrama lágrimas enquanto lembra esse momento. Foi a prova mais difícil que o levou até a deixar seu local de residência. Três dias depois devolveram sua filha de 13 anos com sinais de tortura e com mensagens de ameaças para ele: ele deveria abandonar o movimento indígena.

“Nós defendemos o meio ambiente porque é isso que a Constituição determina, porque é nosso habitat. Nosso território é nossa casa grande”

Fernando Vargas Mosua.

“Eu não posso trabalhar. Deram-me morte civil. Em todo lugar eles veem quem eu sou e me dizem que lamentam e que não podem me receber por medo do governo. Nós defendemos o meio ambiente porque é isso que a Constituição determina, porque é nosso habitat. Nosso território é nossa casa grande”, diz.

De Trinidad ele partiu para Santa Cruz em busca de uma vida melhor. Pouco tempo depois, o proprietário da fábrica onde trabalhava o demitiu devido à pressão do governo. “Eles descobriram que eu estava trabalhando em Santa Cruz e o proprietário me disse que eu tinha que deixar o trabalho, que a decisão não era dele, mas que funcionários do governo foram ao seu escritório para dizer-lhe que perderiam contratos com o Estado se ele me continuava dando emprego”, diz.

Ele retornou a Trinidad para a casa de um parente, onde montou um dormitório precário. Ele vive seus dias procurando trabalho, mas ao mesmo tempo está estudando direito. Ele diz que não vai desistir da resistência e que, não importa quantas mensagens lhe enviem com propinas, ele não vai aceitá-los.

Marcial Fabricano Noe

SOFREU O FLAGELO DE SEU POVO E A PERSEGUIÇÃO POLÍTICA

Ele é um veterano líder indígena mojo trinitário que não se cansa de resistir. Liderou a primeira marcha indígena de terras baixas na Bolívia em 1990.

Sereno e com uma voz firme, Fabricano não deixa de mencionar Deus em suas declarações. Ele é um crente e diz que o Senhor o acompanha nesta luta, que data de anos atrás. O que mais o magoa é ter sido atacado pelo governo de um presidente indígena, como Evo Morales. Depois de lidar com muitos líderes de direita e neoliberais, Fabricano diz que alcançou mais acordos com eles do que com o atual chefe de Estado boliviano.

Foto: Alejandro López.

Ele tem passado por momentos difíceis nos últimos dez anos. A perseguição que sofre o impede de encontrar um emprego. Vive da agricultura e de palestras que dá nas universidades. Ele tem sofrido ameaças de morte e insultos nas ruas. Ele garante que aqueles que o chamam ou o atacam estão ligados a Morales. Ele conheceu o presidente boliviano em 1990 quando era líder dos produtores de coca e Fabricano defendia seu território dos colonos camponeses que queriam entrar nele. Ele assinou um acordo com Morales delimitando as entradas, mas no final – ele diz – o atual presidente boliviano não respeitou o que foi dito. Hoje, no sul de Tipnis, os colonos estão cultivando folha de coca, que geralmente é desviada para o negócio do tráfico de drogas.

Em 2009, quando ele sofreu o flagelo em sua própria comunidade. O governo de Morales dividiu sua organização e a parte que apoiou o presidente boliviano o torturou com 38 chicotadas, por não se alinhar com as políticas promovidas pelo partido governista.

“Ameaçaram-me para me calar. O mais grave foi em 2008 e 2009. Naquela época, eu sofri punição, humilhação. Agora eu perdi minha vergonha e fui punido por meus próprios irmãos, meus próprios parentes. Em uma reunião, o governo usou nossa estrutura para me atacar e me fazer algo que não tem nome: eles me açoitaram só por não estar do lado deles”, conta.

Marquesa Teco Moyoviri

NÃO CONSEGUE ARRUMAR EMPREGO DEVIDO A SUA RESISTÊNCIA

Ela é uma especialista em artesanato. Faz chapéus de palha tecidos à mão. Ela sobrevive da renda desta ocupação, embora admita que é muito pouca para sustentar sua família. Como ela, seu marido também não consegue arrumar um emprego, já que são ativistas na defesa de Tipnis. Marquesa diz que ela sofreu perseguição por parte de grupos que apoiam o governo de Evo e que eles até tentaram expulsá-la de sua sede, já que ela representa as mulheres da reserva ecológica. Ela também revela que o governo de Morales enviou representantes da Procuradoria a sua comunidade com a intenção de prendê-la, mas eles não conseguiram porque não a consideraram culpada.     

“Temos sofrido muito nesta luta por defender nossa casa grande, que é o Tipnis. Como mulher sofri muito, fui ameaçada, disseram que não era da comunidade e os grupos relacionados ao MAS não nos conhecem. Eles pediram que fôssemos expulsas de nosso território. Como líder, sofri uma tentativa de me despejar da sede das mulheres indígenas. Sofremos muito, em minha comunidade o governo enviou promotores para nos colocar na prisão só por causa de nossa resistência. Meu filho mais velho sofreu perseguição, eles o pegaram e esconderam”, conta Teco.    

A líder baixa sua cabeça depois de admitir que a liderança Tipnis está dividida. Além disso, ela diz que agora há poucos que se opõem à estrada que o governo está promovendo. Teco quer reorganizar a liderança, mas admite que é difícil por causa da falta de recursos econômicos.

Benigno Noza Semo

PERSEGUIÇÃO POLÍTICA POR DENUNCIAR OBRAS FANTASMAS

Benigno é um cara direto. Ele fala sem rodeios. Ele vai sem medo e acusa o governo Morales de anunciar obras fantasmas em sua comunidade: Nueva Galilea, ao norte de Tipnis. Ele fez essa acusação em 2017 e ainda sofre perseguição política. Ele não pode ficar em um só lugar sem receber ameaças. E não só ele, mas também sua família.

Ele pega um antigo panfleto de propaganda do governo. Nesse material há fotografias da infraestrutura que a administração Morales supostamente construiu. Eles mostram uma escola e casas sociais. Noza diz que não há nada e que agora mesmo está sendo construída uma pequena escola. Ele queria trabalhar lá como pedreiro, mas foi negado.

Foto: Alejandro López.

“Depois de fazer essa reclamação em Trinidad, não consigo arrumar trabalho. Onde quer que eu vá, eles me dizem que é melhor não me contratar porque isso poderia prejudicá-los. Eu só disse a verdade: em minha comunidade não havia obras, toda aquela propaganda era fantasma e eles queriam enganar a população“, lamenta.

O líder indígena vai de lugar em lugar. Ele recebe ameaças de sua própria comunidade, onde a maioria se virou a favor da linha política de Evo. Noza sente que às vezes ele está remando sozinho e contra a maré, mas mesmo assim ele não baixa a guarda e vai direto. “Uma vez eu lhe disse na cara (ao Ministro Juan Ramón Quintana, um político muito próximo de Evo Morales) para deixar meu território em paz, e eu lhe diria novamente”, salienta.

Félix Cayuba Yuco

SUA COMUNIDADE FICOU ABANDONADA

Ele é o representante da comunidade de Trinidacito, ao norte de Tipnis. Sente que a resistência que vem realizando há anos tem prejudicado o desenvolvimento de sua comunidade, que sofre o abandono de qualquer iniciativa governamental. Ele não sofreu ameaças ou ataques diretos, mas ao ver sua comunidade abandonada, pesa muito mais.

“O governo não vem aqui porque é uma comunidade que é contra a estrada. Esta estrada não nos serve de nada, ela passa muito longe daqui. É por isso que nos opomos e é por isso que eles nos abandonam. Isso dói mais do que receber ataques diretos ou de familiares, porque ver seus irmãos sem trabalho, as crianças sem educação e as pessoas sem água e eletricidade, dói muito mais”, diz.

Foto: Alejandro López.

Trinidacito é uma das poucas comunidades que são contra a construção da estrada no meio do Tipnis. Essa luta custou a eles o abandono do governo. A população não tem água potável, eletricidade, esgoto e o acesso aos cuidados de saúde é precário. Não há médicos. Para Cayuba, essa solidão é uma ameaça.

Roberto Noza Temo

AMEAÇADO DESDE 1990

Para o líder veterano que participou da primeira marcha indígena em 1990, viver sob ameaça tornou-se um hábito. Desde essa conquista, as ameaças não pararam, mas ele lamenta que em um governo chamado popular e indígena essa forma de perseguição continue.

Foto: Alejandro López.

“O governo atual sempre nos pressionou. Este território sempre é ameaçado. Eles anularam uma lei que não nos torna proprietários de nosso território. Mas mesmo assim, continuaremos lutando para que nossos filhos e netos tenham seu território natural. Nós não somos contra as coisas boas que este governo está fazendo, mas vamos continuar com a luta. Como não conseguiram nos dobrar, a última punição foi tirar nossos médicos e enfermeiros. Tudo isso por defendermos nosso território“, salienta.

O dirigente vê como uma punição o abandono por parte do governo das comunidades que se opõem à estrada. Noza insiste que esta resistência o afetou na obtenção de empregos nas capitais, mas também prejudicou seus familiares, que foram afetados por não terem acesso ao direito ao trabalho.

Carmen Guasebe Noe

SEUS FILHOS AFETADOS PELA AUSÊNCIA DE EDUCAÇÃO

Ela é a líder feminina da comunidade de Trinidacito. Sua pior preocupação é ver seus filhos com pouca educação. Nesta comunidade, as aulas não começam a tempo e a educação não chega ao ensino superior. Isto força, diz ela, muitas famílias a migrarem para as capitais. Por sua vez, esta migração leva ao desaparecimento das aldeias, apesar do compromisso do governo de lhes proporcionar educação.

“Não confiamos mais nas pessoas que vêm, porque elas só trazem promessas”.

Carmen Guasebe Noe.

“O ministro Juan Ramón Quintana veio para prometer. Ele prometeu construir uma escola, mas agora não há nada. Eles nos prometem tudo. Não confiamos mais nas pessoas que vêm, porque elas só trazem promessas. Aqui a escola é feita por nossas mãos, como muitas obras. Mas nós também não temos acesso à comunicação, não temos internet, mesmo que eles tenham vindo instalar um telecentro”, afirma ela, com a certeza de que a oposição à estrada fez com que o governo deixasse de lado as exigências de sua comunidade.

Catalina Moye Yubanure

SUA IRMÃ FOI ASSEDIADA NO TRABALHO

Ela não pode acreditar que a defesa de seu território tenha afetado a vida de sua família. Catalina Moye Yubanure mora na comunidade de Trinidacito e sua irmã, uma enfermeira de profissão, mora em Trinidad, a capital de Beni, e trabalha em um hospital público administrado pelo Gabinete do Governador daquele departamento nas mãos do partido de Morales. Ela está ameaçada de demissão porque Catalina apoia a luta em contra da estrada.

“Minha irmã é enfermeira e por causa das ameaças do governo ela quase perdeu seu emprego. Disseram-lhe que se ela não é a favor do governo, iriam a demitir. Além disso, disseram-lhe que se eu continuasse na resistência também seria demitida. Ela é a única irmã profissional e ela ajuda financeiramente a família. Ela nos ajuda com dinheiro, mas se ela perder seu emprego, isso nos prejudicaria”, diz.  

Ela pensa que o governo abandonou sua comunidade pela oposição ao projeto. “Nossa comunidade está triste, não temos nada, isso é que dói”, conclui.

Ruth Alipaz

LEVOU A VOZ DOS INDÍGENAS PARA AS NAÇÕES UNIDAS

Ela está orgulhosa de suas raízes uchupiamonas, uma das 36 nações indígenas reconhecidas na Constituição de 2009, quando a Bolívia deixou de ser uma república e se tornou um Estado Plurinacional. Embora o governo a tenha acusado de fazer parte da minoria que se opõe ao desenvolvimento e de negar seu status indígena, ela não deixa de lutar.

Ela também não para mesmo com os “obstáculos” do sistema fiscal aos seus projetos de observação de pássaros e ecoturismo, que resultaram na hipoteca de sua casa. Ela avança sem medo. “Quando as portas estão fechadas na Bolívia, o que resta? Irmos onde podemos ser ouvidos. É por isso que em abril de 2018 fomos às Nações Unidas para denunciar a violação de nossos direitos como povos indígenas”, diz.

Ela é membro da Mancomunidade de Comunidades Indígenas dos Rios Beni, Quiquibey e Tuichi, uma organização que reúne 17 comunidades indígenas mosetenes, chimanes, esse ejas, lecos, tacanas e uchupiamonas. Ele resume que sua luta é contra a construção de hidrelétricas que “apagarão do mapa o território de seis nações indígenas, e pelo direito de existir”.

Ele receia que 5.000 nativos sejam expulsos de seus territórios “para serem fisicamente extintos junto com nossa cultura e nossos idiomas”.

Alex Villca Limaco

SUA IDENTIDADE INDÍGENA QUESTIONADA POR TER UM MESTRADO

“Rios para a vida, não para a morte”. Este é o aforismo da luta contra as hidroelétricas deste jovem indígena uchupiamona que se tornou um guardião de Madidi.

Ser um defensor do meio ambiente na Bolívia é complicado, diz, “por causa da perseguição, intimidação, desqualificação e tentativas de silenciar aqueles que são vozes de resistência”.

Ele diz que pessoas próximas ao governo Morales o acusam de todo tipo de coisas. Por exemplo, diz ele, de receber dinheiro de ONGs para se opor às hidrelétricas, de ser um ‘agente do império’ ou da direita, mas o pior, diz, era “ser desconhecido como indígena por ter estudado para um mestrado e promover o ecoturismo em seu território”. Ele conta que os ataques não pararam em desqualificações públicas ou nas redes sociais, mas atingiram sua família e até ameaçaram fechar seus negócios.

Quando perguntado de onde vêm estas ameaças, ele não hesita: “do governo”, responde. Para ele, um indígena sem educação, sem conhecimento e que aceite o que é determinado no poder é o perfil que os tomadores de decisão preferem.

Foto: Alejandro López.
Tierra de Resistentes

Base de datos de Tierra de Resistentes

Lo que dicen los datos sobre los ataques a los resistentes

Análisis de la base de datos de líderes del medio ambiente perseguidos y asesinados en Latinoamérica.

Metodología

La base de datos de Tierra de Resistentes busca dimensionar el universo de líderes y comunidades que ha sufrido episodios de violencia. Más que nombres, cada registro documenta una historia y una realidad.

Más reportajes:

Os camponeses que querem desligar as motoserras em Guaviare

Em Guaviare, o terceiro departamento com maior índice de desmatamento da Colômbia, camponeses e colonos impulsionam iniciativas de conservação e aproveitamento...

A fratura social que o fracking já está causando

¿Se podrá hacer fracking en Colombia? Es la pregunta que se hace la industria petrolera y el gobierno nacional. Mientras el debate avanza en los escenarios de decisión política, en los territorios donde podría llevarse a cabo estos proyectos la violencia arrecia contra quienes se oponen a esta técnica.

“Sem território, não somos nada”

Quienes defienden la Sierra Tarahumara, una de las zonas boscosas más importantes de México, se enfrentan al narcotráfico, a caciques locales, a la imposición de proyectos extractivos y a la indiferencia gubernamental. Esos defensores son, en su mayoría, indígenas cuya identidad se forjó entre montañas, barrancos, pinos y manantiales. Sin ese territorio, dicen, ellos no son nada. Por eso lo protegen. Por eso se niegan a que se talen sus bosques y a que sus manantiales se sequen. Por eso enfrentan a quienes buscan cortar sus raíces.

Bajo Atrato e Darién: natureza cercada

https://www.youtube.com/embed/ZInvpWgqCow A história de Riociego é a mesma de outras comunidades da Bacia do Rio Salaquí e...